domingo, 22 de outubro de 2017

ANIMAIS | GLUTÃO

Resposta à questão colocada ontem.

Questão: Será o glutão um predador de topo?

Sim. O glutão aproveita-se das presas de outros predadores, confrontando-os mesmo que sejam maiores do que ele.


Fonte: Jardim Zoológico de Lisboa

Resultado de imagem para jardim zoologico de lisboa

ANIMAIS | ABELHA EUROPEIA

Apis mellifera 2 Luc Viatour edit 1.jpg

abelha-europeia (Apis mellifera) é uma abelha social, de origem europeia, cujas obreiras medem de 12 mm a 13 mm de comprimento e apresentam pelos do tórax mais escuros. 

Esta espécie reconhece os animais da sua colmeia através do cheiro.

Questão: Como é que esta abelha defende a sua colmeia?

Fonte: Wikipédia e Jardim Zoológico de Lisboa


sábado, 21 de outubro de 2017

LITERATURA | Sob Estranhos Céus | PAULO COSTA GONÇALVES

























SINOPSE

Recriando um enredo complexo e interessante, Paulo Costa Gonçalves cruza a História com as suas histórias, num desafio nada fácil de concretizar e que deu forma ao livro “ O Herdeiro de Antioquia”. Criando um romance ficcional, que conjuga um trama que perpassa quase mil anos de História, até à Lisboa contemporânea de 2013 e partindo de um facto histórico – a conquista da Cidade de Antioquia, uma das páginas mais negras e obscuras da história da cristandade, ocorrida em 1098, aquando da 1ª. Cruzada – Paulo Costa Gonçalves realiza uma sequela que atravessa de forma arrepiante as paixões, os sentimentos e ambições de personagens marcadas pela lendária maldição, num ritmo frenético que prende o leitor. A história enreda-se em pistas e contra pistas, dando forma a laivos de surpresas que surgem a cada momento da acção. O clímax é imprevisível e garante emoções fortes até à última página.

ANIMAIS | BABIRUSSA

Resposta à questão colocada ontem.

Questão: Que vocalização emite quando está em grupo?

Emite um som alto e longo descrito como “suirii…suuuuuiiriiiii”.


Fonte: Jardim Zoológico de Lisboa

Resultado de imagem para jardim zoologico de lisboa

ANIMAIS | GLUTÃO

Järv1.jpg

glutão (Gulo gulo), também conhecido como carcaju, é um mamífero da família dos Mustelideos, ordem Carnivora. Vive no Hemisfério Norte, nas zonas frias da Sibéria, Escandinávia, Alasca e Canadá. O glutão é o animal oficial do estado do Michigan, nos Estados Unidos. O personagem Wolverine, da editora de quadrinhos Marvel, deve o seu codinome ao glutão, do inglês "wolverine".

O glutão é um excelente nadador e um ágil trepador de árvores.

Questão: Será o glutão um predador de topo?

Fonte: Wikipédia e Jardim Zoológico de Lisboa



OPINIÃO | Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa. | ANA KANDSMAR

José Alberto Carvalho escreveu na sua página de Facebook um texto comovente, mas assertivo sobre os incêndios que assolaram o país.

Muitos dos seus seguidores elogiaram a forma imparcial com que expôs o que pensava, tendo o cuidado de não criticar (pelo menos de forma óbvia) a atuação do governo.

Pessoalmente subscrevo quase tudo o que José Alberto disse. Quase tudo, porque quando
José Alberto diz 1 - A Ministra deveria demitir-se?
O que teria mudado hoje, se a Ministra da Administração Interna se tivesse demitido ontem? Nada!”

Continuo a acreditar que Constança Urbano De Sousa, embora não sendo culpada das labaredas que devoraram metade do país, tem culpa pela forma como geriu a catástrofe, tem culpa das falhas, da desorganização, da omissão de informação, da falta de meios de combate... e tem culpa pelo que disse. Eu poderia ir mais longe dizendo que esta culpa se estende também a António Costa. E estende. Mas é para delegar responsabilidades na governação de um país que existem ministérios, e cada um, sob a sua tutela tem diversos agentes. Convém que funcionem. É para isso que pagamos impostos. No que toca ao que não deve ser dito, também o PM perdeu várias oportunidades para estar calado. Ora vejamos: Pergunta- “É agora que o governo vai implementar medidas de reestruturação da floresta?” Resposta: “Não me faça rir a esta hora.”, e ainda declara: “os portugueses têm que se habituar, porque situações como esta vão acontecer muitas vezes no futuro.” É sempre consolador saber que o nosso PM nos está já a preparar o caixão.

Frases destas ditas por quem tem responsabilidades ao nível da governação são no mínimo de uma enormíssima falta de respeito para com o povo que foi (ou não) às urnas e depositou nele (ou noutro) o seu voto. Mas é sobretudo uma profunda falta de respeito para com quem votou em António Costa. Imagino que muitos dos que morreram calcinados pelas chamas terão votado. Se eles pudessem dizer hoje o que pensam, o que diriam? António Costa terá alguma vez pensado nisso? Estou em crer que não.

O Primeiro Ministro comete ainda mais um infame pecado. Não se desculpa. A sobranceria e arrogância não lho permitem e dá-se ainda ao luxo de dizer: "Se me querem ouvir a pedir desculpas, eu peço desculpas, mas faço-o enquanto cidadão e não enquanto PM". Errado, errado. Primeiro, porque foi um "pedido de desculpas" arrancado. Segundo, porque Costa disse que pedia desculpas enquanto cidadão e não enquanto Primeiro Ministro. Deve estar a fazer alguma confusão, porque me parece que é enquanto Chefe do Governo que deve pedir desculpas e não enquanto cidadão. O cidadão António Costa tem tanto poder para mudar o que quer que seja como qualquer outro cidadão. Não deve o cidadão António Costa, nenhum pedido de desculpas. Deve-o o Primeiro Ministro e como tal, o Primeiro Ministro não pediu desculpas. 

E cá estamos nós outra vez na linha que separa o cidadão da sua missão.

Parece-me que a única coisa que os políticos e os jornalistas têm em comum é precisamente o facto de que nem uns nem outros, podem, no exercício das suas funções, dizer tudo que lhes vem à cabeça. Constança Urbano de Sousa e António Costa, ao contrário de José Alberto Carvalho, disseram-no.

E até onde pode o jornalismo imiscuir-se naquilo que é do foro opinativo? Quem não recorda Manuela Moura Guedes e os seus “ataques” a José Sócrates, ainda a Operação Marquês não estava sequer em estado embrionário? Manuela foi, ao contrário do que muitos pensam, apenas uma jornalista que viu mais longe e saiu da formatação habitual do jornalismo em Portugal: O jornalismo de “seguidismo”, no fundo, mais publicidade que jornalismo.

Manuela fez mesmo jornalismo e o seu único erro foi tê-lo feito num país onde ninguém estava familiarizado com essa coisa de “de facto se fazer jornalismo”.
Não emitiu opiniões pessoais sobre o então Primeiro Ministro. O que fez foi uma coisa diferente: Incomodou. Fez perguntas que ninguém, muito menos os jornalistas ousavam fazer quando na verdade deviam fazer. É para isso que o jornalismo serve. Para inquirir, indagar, trazer à luz do dia o que está escondido. Manuela tentou fazê-lo. Não lho permitiram. Hoje sabemos que ela tinha razão.

Vejam-se as diversas publicações que existem no mercado mesmo por cá e não escapará a
 ninguém que o Observador é mais à Direita, o I muito mais à Esquerda, e casos não faltam de jornais onde se veiculam notícias a puxar um bocadinho (às vezes muito), mais para aqui ou para acolá. Sejamos francos: a imparcialidade no jornalismo, anda, como é natural, porque somos humanos, a reboque das nossas convicções. Mas em jornalismo, o que não pode acontecer é escarrapacharmos pornograficamente numa noticia escrita por nós, ou numa imagem de capa, as nossas convicções.

E eis que então chegamos à Sábado. A revista Sábado por sua vez colocou nas bancas mais uma edição com uma capa que no mínimo provoca desconforto. O que é que têm em comum José Alberto Carvalho, a Sábado e Manuela Moura Guedes?
Tirando o facto de que se movem no meio jornalístico, nada.
O jornalista da TVI24 por uma questão de pudor profissional limitou-se nas criticas que poderia ter feito (ou não), no entanto, se não se tivesse limitado estava no seu pleno direito. José Alberto escreveu na sua página pessoal do Facebook. Pessoal. Ora, antes de ser jornalista José Alberto Carvalho é cidadão. Enquanto cidadão pode e deve opinar sempre que entender, desde que no espaço em que domina o cidadão José Alberto Carvalho e não o jornalista José Alberto Carvalho.

Manuela Moura Guedes fez um trabalho de pressão jornalística sobre alguém que estava debaixo de suspeitas várias. Por sua vez, a Sábado expõe o seu descontentamento com a prestação da MAI e eleva esse descontentamento para um nível que se aproxima perigosamente do ataque pessoal. Quando bato com os olhos na capa dificilmente vejo a ministra e passo a ver a cidadã Constança Urbano de Sousa. E isso é uma péssima forma de fazer jornalismo.

Remato, pedindo que reparem que as minhas crónicas neste espaço são assinadas com Ana Kandsmar. Poderia assinar com Ana Cristina Pinto, mas não o faço. E não o faço porque entendo que não pode haver promiscuidade entre o primeiro e o segundo nome. O primeiro eu uso nos meus livros, no meu blog, nas redes sociais. O segundo, é o nome que consta na minha carteira profissional de jornalista. Isto para dizer que não abdico de opinar, mas não posso misturar o que é meu, das minhas convicções e vivência pessoal com o que é de todos. E o que é de todos é o direito à informação. Não a obrigação de saberem o que eu penso.


Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.












Ana Kandsmar

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

LITERATURA | O Herdeiro de Antioquia | PAULO COSTA GONÇALVES

























SINOPSE

Cruzar a História com as histórias, recriando um enredo complexo e interessante, é um desafio nada fácil de concretizar mas que dá forma ao livro “O Herdeiro de Antioquia”, da autoria de Paulo Costa Gonçalves, lançado recentemente pela Chiado Editora.

Conjugando uma trama que perpassa quase mil anos de História, a partir da invasão da Cidade de Antioquia no ano de 1098 até à Lisboa cosmopolita de 2013, Paulo Costa Gonçalves atravessa de forma arrepiante as paixões e os sentimentos de uma família marcada por uma lendária maldição. 

Num ritmo frenético que prende quem a lê, a história enreda-se em pistas e contra-pistas, dando forma a laivos de inesperada surpresa que surgem a cada momento da acção, conjugando-se num clímax imprevisível que garante emoções fortes até à última página. Os protagonistas, centrados num humanismo que explica a força e a determinação com que lidam com os muitos percalços que os envolvem, oferecem-nos uma perspectiva diferente de uma Lisboa moderna e em que muito se passa para além daquilo que nos é dado ver.