sábado, 10 de abril de 2021

O testemunho inspirador de um sobrevivente de Auschwitz, Eddie Jaku

 Eddie Jaku é um sobrevivente do maior horror de que há memória: o Holocausto. O ódio que alimentou a máquina assassina nazi, porém, não encontrou morada no coração de Eddie. Neste livro partilha com o mundo a sua história e passa a mensagem mais importante de todas, com particular relevância nos dias que correm: o ódio é uma doença que destrói tudo à sua passagem.

Por ocasião do seu 100. º aniversário, Eddie Jaku oferece-nos um testemunho poderoso, desolador e, ao mesmo tempo, derradeiramente optimista de como a felicidade pode ser encontrada até no momento mais sombrio da Humanidade.

 

Sinopse:

Eddie Jaku nasceu na Alemanha em 1920 no seio de uma família judaica. Sempre se orgulhara da sua nacionalidade alemã, considerando-a o elemento mais importante da sua identidade: antes de ser judeu, era alemão. No entanto, tudo isso mudaria drasticamente em Novembro de 1938, quando foi detido, espancado e levado para um campo de concentração por soldados nazis.

Ao longo dos sete anos seguintes, Eddie enfrentou diariamente os maiores e mais desumanos horrores que alguém pode conceber, primeiro em Buchenwald, depois em Auschwitz e, por fim, numa marcha de morte Nazi. Perdeu familiares, amigos, o seu país.

Por ter sobrevivido, Eddie fez uma promessa: sorrir todos os dias.

75 anos depois, decidiu contar a sua história em homenagem a todos os que pereceram, partilhando o que apendeu e vivendo em pleno a vida que lhe foi concedida. Hoje, acredita que é «o homem mais feliz do mundo».


O que diz a crítica:

«Que ser humano tão belo e maravilhoso.» Magda Szubanski

«Depois de ler este livro, sinto que fiz um amigo. Uma história bela contada por um homem verdadeiramente surpreendente.» Daily Telegraph

«Eddie olhou o mal olhos nos olhos e permaneceu alegre e gentil… A sua filosofia é uma afirmação de vida.» Daily Express

«Este relato tão simples e comovente de uma vida notável dá-nos a todos muito que pensar e reflectir… Leitura obrigatória.» Canberra Weekly





 

sexta-feira, 9 de abril de 2021

A história de que precisamos. O amor renascido no novo romance de José Gardeazabal.

 Quarentena, uma história de amor é o novo romance de José Gardeazabal, que tem sido assinalado como uma nova e importante voz na literatura contemporânea.

O novo livro do autor, que a Companhia das Letras lança a 23 de Março, concentra-se num casal decidido a separar-se mas que, por força da chegada de uma pandemia, se vê obrigado a conviver nos 40 dias que durará a quarentena obrigatória.

 

Este é o terceiro romance de José Gardeazabal, depois de Meio Homem, Metade Baleia, finalista do Prémio Oceanos 2019, e de A Melhor Máquina Viva, um dos livros do ano 2020 para o Expresso e Público («vem confirmá-lo como uma das grandes vozes da literatura portuguesa»).


SINOPSE

 

Um casal, decidido a separar-se e de malas feitas, é obrigado pelas autoridades de saúde a uma quarentena. O seu apartamento transforma-se numa arena de proximidade física e distâncias calculadas, onde os restos da vida amorosa e o trautear televisivo de uma pandemia mudam o mundo por dentro e por fora. Ali, sob o regime forçado de uma intimidade perdida, percebemos como, entre antigos amantes, vizinhos e desconhecidos, a saudade das multidões e dos sentimentos sempre estiveram à altura de nos resgatar do peso do presente.   

Um olhar provocador sobre uma experiência coletiva. Uma introspeção inesperada, à porta fechada, sobre o que é o amor, onde começa, acaba e recomeça.  Uma história de amor em 40 dias.


Sobre o autor: 


José Gardeazabal nasceu em Lisboa, onde vive atualmente. Viveu, trabalhou e estudou em Luanda, Aveiro, Boston e Los Angeles. Recipiente do Prémio INCM/Vasco Graça Moura, pelo seu livro de poesia história do século vinte, em 2016, publica nesse mesmo ano Dicionário de ideias feitas em literatura. No ano seguinte, lança-se na dramaturgia com a publicação de Trilogia do olhar. Em 2018, a Companhia das letras lança o seu primeiro romance, Meio homem metade baleia, e dois anos depois é publicado A Melhor Máquina VivaQuarentena, uma história de amor é o seu terceiro romance. 







quinta-feira, 8 de abril de 2021

A Bia e o Unicórnio estão de volta!

Coleção de BD de Dana Simpson conta já com 10 títulos e é uma das favoritas dos mais jovens leitores portugueses.

  

«A Bia é uma menina surpreendentemente real, tão brilhante e imaginativa como o Calvin, de Bill Watterson, tão comoventemente vulnerável como o Charlie Brown, de Charles Schulz.»  Peter S. Beagle




quarta-feira, 7 de abril de 2021

 Nessa Art Spot: Peças personalizadas, feitas à mão, com base em fotos do seu animal de estimação. O presente perfeito para todos aqueles que têm uma família de quatro patas!

https://www.facebook.com/NessaArtSpot





O Macaco Rabugento não quer dormir De Suzanne Lang e Max Lang

Depois do sucesso de O Macaco Rabugento, chega agora uma nova história do macaco Quim Panzé! Desta vez, ele não quer dormir… Conheçam estes divertidos livros de Suzanne Lang sobre como lidar com sentimentos difíceis de explicar, e que não devemos reprimir.




 

terça-feira, 6 de abril de 2021


 

Gambito de Dama, de Walter Tevis

O romance que deu origem à série mais vista da história de Netflix. Um romance viciante, acelerado e com uma tensão que não diminui a cada jogo, a cada viagem, a cada momento de abandono da protagonista, que sempre oscila entre o sucesso e o abismo, ficará no coração dos leitores. E também servirá como uma introdução ao mundo do xadrez, que, como Beth Harmon, parece calmo e acessível, mas contém um vulcão de paixões e perigos escondidos.

SINOPSE Quando a mãe de Beth Harmon, de oito anos, morre num acidente de viação, a menina é enviada para orfanato em Mount Sterling, Kentucky. Simples, taciturna e tímida, ao que tudo indica, Beth não se destaca… até jogar a sua primeira partida de xadrez. Os seus sentidos ficam mais aguçados, o pensamento mais claro e, pela primeira vez na sua vida, ela sente-se totalmente no controlo. Sem dinheiro nenhum, Beth está desesperada para aprender mais sobre esse jogo que se tornou a sua vida - rouba uma revista de xadrez, dinheiro suficiente para entrar num torneio e também alguns dos tranquilizantes da mãe adoptiva, nos quais está viciada. Aos treze anos, vence um torneio de xadrez; aos dezasseis, compete no US Open Championship; aos dezoito, é campeã dos Estados Unidos - e a Rússia espera por ela… Mas, à medida que Beth aprimora as suas habilidades no circuito profissional, as apostas ficam mais altas, o seu isolamento fica mais assustador, as suas incontroláveis adicções e a ideia de escapar tornam-se ainda mais tentadoras. o seu país.