sexta-feira, 22 de março de 2019

NOVIDADES EDITORIAIS / O Fim da Solidão de BENEDICT WELLS / ASA - Tradução de Paulo Rêgo

Benedict Wells estará em Lisboa, de 25 a 27 de Março, para promover este romance, que chega às livrarias dia 26. 


Jules Moreau tem onze anos quando os pais morrem num acidente de carro. Nessa noite, a sua infância termina. Segue-se a ida para um colégio interno, juntamente com os dois irmãos mais velhos. Pouco a pouco, os laços que os unem quebram-se. Jules isola-se, alimentando-se das suas memórias; Marty refugia-se ferozmente nos estudos; e Liz procura todas as formas de evasão possíveis para preencher o vazio. O único consolo do protagonista advém dos momentos que passa na companhia de uma menina ruiva chamada Alva. As duas crianças leem, ouvem música, partilham o silêncio das tardes no colégio. E nunca falam sobre si mesmas.

Quinze anos mais tarde, os irmãos afastaram-se irremediavelmente uns dos outros. Jules, que continua a reviver o passado interrompido, apenas encontra alento no sonho de se tornar escritor e na ânsia de reencontrar Alva. E quando, por uma vez, tudo parece subitamente possível, uma força invisível – talvez o destino – volta a intervir. O fim da história de Jules está ainda por acontecer.

segunda-feira, 18 de março de 2019

NOVIDADES EDITORIAIS / História de Uma Família Decente de ROSA VENTRELLA / DOM QUIXOTE - J.Teixeira de Aguilar

Nas livrarias a 19 de Março



Sul de Itália, anos 80. Os verões em Bari velha são passados entre os becos de lajes brancas, onde as crianças se perseguem pelas curvas de um labirinto de ruelas, no meio dos aromas dos lençóis estendidos em arames e dos molhos saborosos.

Maria, de doze anos, cresce aqui com os dois irmãos mais velhos. É uma menina pequena e morena, com feições selvagens que a tornam diferente das outras crianças – uma boca grande e dois olhos quase orientais que brilham como pequenos buracos –, e uma certa maneira de ser hostil e insolente que lhe valeu a alcunha «Malacarne». Vive numa terra sem tempo, num bairro onde os abusos são sofridos e infligidos, e de onde é muito difícil escapar. No entanto, Maria não está disposta a submeter-se a normas que não respeita. O seu único apoio é Michele, o filho mais novo do clã Senzasagne, a gente mais decadente de Bari velha. Apesar da hostilidade entre as suas famílias, entre ambos surge uma amizade delicada, quase fraternal, que o tempo converte em amor. Um amor que, embora impossível, os preserva do rancor do resto do mundo.





sexta-feira, 15 de março de 2019

NOVIDADES EDITORIAIS / Palmeiras Bravas - Rio Velho de WILLIAM FAULKNER / DOM QUIXOTE - Tradução de Jorge de Sena (Palmeiras Bravas) e Ana Maria Chaves (Rio Velho)

Nas livrarias a 19 de Março



Neste romance intenso e belo, Faulkner entrelaça duas absorventes narrativas, cada uma iluminando a outra com grande subtileza.

Na primeira, Palmeiras Bravas, uma mulher abandona marido e filhos para embarcar com o amante numa arrebatada fuga para o deserto da paixão ilícita, deixando para trás as responsabilidades da maternidade e de uma vida respeitável.

A segunda, Rio Velho, conta-nos a história de sobrevivência de um condenado que foge da prisão e que, enfrentando a grande cheia de 1927 do rio Mississípi, arrisca a sua liberdade para resgatar uma mulher grávida prestes a dar à luz.

A partir destas duas histórias – que o autor organizou em capítulos alternados –, Faulkner compõe uma sinfonia de libertação e condenação, sobrevivência e auto-sacrifício.

Um romance engenhoso e inovador, com uma prosa de suster a respiração, em que todas as páginas estão impregnadas com a presença física do Sul imaginário de Faulkner.




quinta-feira, 14 de março de 2019

LITERATURA | Excerto de entrevista do autor Nuno Nepomuceno

Nuno Nepomuceno, autor de A Última Ceia, deu uma entrevista ao blogue Crónicas de uma Leitora. Deixamos um excerto da entrevista concedida à nossa colaboradora Vera Carregueira.
________________________

Não estamos perante um livro que possamos inserir num só género literário. Temos romance e um thriller num só, muita ação, suspense e amor. Acha que será mais fácil chegar a mais pessoas?
Sim, concordo com essa análise. Acho que o sucesso que o livro está a ter resulta sobretudo disso. De uma forma muito simples, mais do que um thrillerA Última Ceia é uma história de amor, um «conto» sobre a relação entre um homem e uma mulher. E esses sentimentos serão sempre universais.

Imagem relacionada
O que nos pode desvendar sobre as personagens principais? O que podemos esperar deles?
É uma pergunta interessante, pois este foi exatamente um dos desafios que a redação do livro me colocou. O casal de protagonistas é muito diferente. A mulher, Sofia, evolui imenso e acho que é a personagem com que o leitor se irá identificar mais. Tem todas as caraterísticas de uma heroína tradicional, incluindo a capacidade de sobrevivência. Já Giancarlo, o homem que a seduz, não. É uma personagem estática, sobre a qual sabemos logo no início do livro ser um vilão, um ladrão de arte, o que me obrigou a trabalhar o enredo para manter a narrativa interessante. Se pensarmos bem, já sabemos mais ou menos como é que o livro acaba quando ele começa.

Afonso Catalão volta a ter um papel fundamental no desenrolar da ação. Como tem sido desenvolver este personagem que nos acompanha desde A Célula Adormecida?


Tem sido muito gratificante. O professor Catalão é bastante diferente do meu primeiro protagonista, a personagem principal de O Espião Português e restantes volumes da série. Afonso, ao ser um homem mais velho, tem outra dimensão emocional, além de um passado obscuro, negro, fruto de alguém que, apesar de ser honesto, teve de sobreviver àquilo que a vida lhe deu. É uma personagem que faz o que considera ser correto e necessário para o bem maior, mesmo que para tal tenha de quebrar algumas regras. Os últimos capítulos de A Última Ceia revelam isso mesmo. Há mensagens subliminares nas linhas de diálogo do professor Catalão que nos deixam a pensar sobre a interpretação que devemos fazer dos factos narrados anteriormente.


Para lerem a entrevista na integra cliquem AQUI.

segunda-feira, 11 de março de 2019

NOVIDADES EDITORIAIS / A Noite e o Riso de NUNO BRAGANÇA / DOM QUIXOTE

Nas livrarias a 12 de Março



Primeiro romance de Nuno Bragança, de quem se assinala, este ano, o 90.º aniversário do seu nascimento, A Noite e o Riso (1969) é uma obra incontornável, considerada decisiva para a modernidade literária portuguesa.

Um texto que alia a linguagem poética à experimentação formal, e uma certa dose de surrealismo às experiências do nouveau roman francês.

Como refere Manuel Gusmão no seu prefácio à 3.ª edição, este é um romance de crescimento e aprendizagem, que tem na ironia o seu «princípio construtor».






sexta-feira, 8 de março de 2019

NOVIDADES EDITORIAS / O Terceiro Vértice de FERNANDO PINTO DO AMARAL / DOM QUIXOTE - POESIA

Nas livrarias a 12 de Março



Uma poesia que remete para o mundo actual e para as suas novas realidades. Poemas sobre a vida nocturna e os espaços de encontros e desencontros, onde o amor espreita e se perde. O quotidiano e as fugas à fria realidade, os sonhos e a esperança, a juventude e o envelhecimento, o telemóvel e as redes socias.

Com sonetos a lembrar Camões, e ainda com poemas de grande modernidade, este é um livro que percorre os três vértices de um triângulo: O Raio Azul, Paralelas Assimétricas e Peter Pan & Friends.




domingo, 3 de março de 2019

Entrevista à autora SUSANA JÚDICE

Quem é Susana Júdice

Susana C. Júdice nasceu a 5 de dezembro, em Portugal, no seio de uma família humilde. Filha de pais emigrantes, cresceu nos Estados Unidos, onde muito cedo se apaixonou pela leitura e pela escrita. Levada pelo impulso criativo, dedicou a sua vida à dança e à moda. Vive atualmente em Portugal, com o seu marido e o seu dragão de estimação. Sempre pronta para um desafio, escreveu Sonho de Liberum, a sua primeira obra literária, que rapidamente se revelou como um sucesso nacional e internacional.
Apaixonada pela nova jornada literária, e motivada pelo entusiasmo dos seus leitores, lançou Segredo de Liberum, o segundo volume de uma trilogia épica.  



MBC - O que te levou a escrever Literatura Fantástica?
SJ - Sendo o género literário que mais me seduz, creio que fez todo o sentido iniciar o meu percurso com a literatura fantástica. O instinto uniu-se à criatividade, mergulhando assim, num mundo mágico que habitava dentro de mim, desenrolando-se, satisfatoriamente, por si, de uma forma genuína e natural.

MBC – Só escreves dentro deste género? Queres dizer-nos o motivo desta tua escolha literária?
SJ - Não gosto de rotular a minha escrita, pois adapto-me facilmente a diferentes desafios. Acima de tudo, prezo emoções. Sejam as emoções que me percorrem ao escrever, ou as que os meus leitores me transmitem terem sentido, ao lerem as minhas palavras. Um bom exemplo foi o tremendo sucesso da minha participação na colectânea de cartas de amor,"Três quartos de um amor", onde escrevi uma carta: "Para a minha futura criança", retratando todo um conjunto de emoções que arrancaram imensas lágrimas por parte de muitos leitores.

MBC – Porquê Liberum?
SJ - Liberum, que significa liberdade em latim, tem um significado duplo. Simboliza o reino principal da história - Reino de Liberum - bem como todos os seus habitantes, primeiramente através do sonho e, mais tarde, através do segredo. Em simultâneo, a escolha desta palavra, reflecte a liberdade que eu secretamente desejei poder proporcionar aos meus leitores. Um momento de paz, um bom momento de leitura, um refúgio do mundo real, um fragmento de liberdade.

MBC – Sendo “O Sonho de Liberum” o primeiro livro desta saga e “E Segredo de Liberum” o segundo a questão que se coloca é para quando um novo volume?
SJ - A estrutura do último livro desta trilogia foi sendo gradualmente construída aquando a escrita do Segredo de Liberum. Face à recepção extremamente positiva por parte dos leitores, ansiando assim saber o final desta história, tenho tentado conciliar todos os projectos em que estou envolvida, para dar vida ao último volume, o mais breve possível.

MBC – Será que nos podes desvendar um pouco da história desta saga? Será composta por quantos volumes?
SJ - Portanto, é uma trilogia, pelo que o terceiro volume será o último desta aventura mágica. O primeiro livro permite ao leitor aproximar-se de diversas personagens, caracterizadas por diferentes capacidades mágicas, através dos cinco elementos: Água, Terra, Ar, Fogo e Espírito. Ao longo de um rumo cénico incrível, predomina uma viagem de auto descoberta, crescimento e aceitação por parte da personagem principal, Gweniver, enquanto é confrontada com obstáculos e desafios temíveis. O segundo volume acontece dezassete anos depois. Predominam-se as teias do destino, num desenrolar enigmático, contagiante e assombroso, onde os segredos parecem não ter fim. Ambos os livros exploram diversas formas de amor e inúmeros valores morais, que oferecem ao leitor, uma perspectiva quase real, apesar de se tratar de um mundo fictício.

MBC – Tens mais alguma obra escrita de que ainda não tenhamos conhecimento?
SJ - Como já referi a título de exemplo, tenho editada uma carta de amor chamada "Para a minha futura criança". Está inserida no primeiro volume de uma colectânea de cartas de amor, "Três quartos de um amor". Entretanto, tenho vários projectos a aguardarem tempo para que possam ser devidamente desenvolvidos, editados e colocados nas mãos dos meus leitores incríveis.

MBC – Novas surpresas literárias para um futuro próximo?
SJ - Sim! Num futuro bem próximo, vão poder acompanhar um projecto literário solidário, no qual
fui convidada a participar e, tal como prometido, ainda que sem o compromisso de uma data, estou a trabalhar no último volume da trilogia.

MBC – Publicaste os teus livros com a Chiado Editora, mas tendo crescido no Estados Unidos da América já existem traduções disponíveis para os leitores americanos?
SJ - Seria absolutamente mágico se o facto de eu ter crescido num determinado país me permitisse a tradução do meu trabalho no próprio local, mas, as coisas não funcionam assim. Contudo, não é segredo que ambiciono ver o meu trabalho traduzido noutras línguas, incluindo claro, o Inglês, abrangendo não só, mas também, os leitores americanos.

MBC – Como reagiu a comunidade portuguesa no Canadá quando puderam ler os teus livros? E não me refiro somente a quem te conhece, amigos e família, mas sim à enorme comunidade portuguesa emigrada.
SJ - Não podia ter desejado uma recepção mais calorosa. Foi a primeira vez que visitei o país enquanto escritora e tive a honra de contar com o apoio da Coordenação da Língua Portuguesa no Canadá. Visitei mais do que uma turma de uma escola portuguesa, três rádios e um telejornal. Senti-me verdadeiramente grata pelo apoio que me foi prestado por parte de todas as entidades e amizades. Conheci imensas pessoas, maioritariamente emigrantes, e senti nelas, a saudade colossal que tinham de Portugal, bem como de tudo o que é português. Creio que ter levado um pouco da minha literatura, também ela portuguesa, foi extremamente especial, para mim, e para todos os que contactaram com as minhas palavras.

MBC – As apresentações que tens feito tem aumentado o teu número de seguidores, tens alguma ideia de como te divulgar melhor de forma a atingir um maior número de leitores?
SJ - O meu primeiro passo foi acreditar no meu trabalho, independentemente dos resultados, sem expectativas. Para mim, não é a quantidade de seguidores que me definem enquanto escritora, é a qualidade das minhas palavras. Ainda assim, nunca devemos rejeitar oportunidades, especialmente as que mais nos assustam. É necessário ser realista: se não somos uma figura conhecida do público e se não temos um nome, que só por si, chame leitores, é necessária uma grande dose de persistência e paciência para gradualmente, conquistar uma maior visibilidade. Eu não permito que o meu sucesso se traduza em números, porque para um escritor que escreve, porque simplesmente ama escrever, basta ter um único leitor, que se renda às suas palavras e histórias, para que seja bem sucedido.

MBC – Onde é que se podem adquirir os teus livros?
SJ - Tem havido uma aposta cada vez maior nas vendas online, pelo que se poderá encontrar as minhas obras em inúmeras plataformas tais como a FNAC, Bertrand, Wook, Kobo, a própria plataforma da Chiado Editora, Cultura, Saraiva... etc. Os meus livros também se encontram em muitas livrarias tradicionais, portanto questionem junto do balcão da vossa loja literária preferida, caso não tenham, a própria pode estabelecer contacto comigo ou com a minha editora a fim de solucionar a questão. Para encomendar um livro com uma dedicatória especial, sugiro sempre o meu site: www.susanacjudice.pt

MBC – Queres deixar-nos os teus contactos nas redes sociais para que os leitores possam seguir o teu trabalho?
SJ - Sim, claro! O meu site, www.susanacjudice.pt contém grande parte do meu percurso, citações e curiosidades. No Facebook e no Instagram procurem @susanacjudice e comentem ou deixem mensagem que eu respondo logo que me seja possível.

MBC– Gostavas de deixar um comentário aos leitores agora que te ficaram a conhecer um pouco melhor?
SJ - Para os que acreditam, nada é impossível. Apostem na felicidade, através da conquista dos vossos sonhos. Abracem a luta que, um dia, se assim o desejarem, vos levará ao sucesso. Sejam ambiciosos, corajosos e persistentes. Sejam uma inspiração para alguém. Sintam orgulho na vossa essência. Sejam felizes.

Segredo de Liberum

Sinopse

Quando os segredos são demasiado obscuros, entre a morte e o perdão, qual o limite do amor? Após a derrota de Galium, o rei maléfico do Reino de Liberum, Gweniver de Essentia entregou-se a uma vida que lhe preencheu a alma. Casou-se com o seu soldado, Dominic e, desse grande amor, nasceram duas crianças muito especiais – a Arianne e o Lucca. Ao longo de dezassete anos, os reinos foram embalados num equilíbrio feliz e inocente. Inesperadamente, a Gweniver volta a ser assombrada pela visão de uns jovens e temidos olhos azuis, e pela questão que lhe atormentou ao longo de tantos anos – quem era o Seth. Rapidamente, é confrontada, com a consequência de uma escolha do seu passado, enquanto vê a sua família a ser separada e colocada em perigo. Segredos sombrios revelam-se impiedosamente, colocando à prova a fé mais inabalável, com cada emoção à flor da pele. Numa incrível corrida contra o tempo, onde as diferentes perspetivas transportam o leitor de uma forma mágica, cada personagem é colocada à prova. Uma escolha, um amor improvável, uma nova ameaça e um sacrifício, entrelaçam-se grandiosamente, revelando as teias do destino, traçadas pelos deuses. Afinal de contas, tudo o que nos assustava no passado é nada, comparado com o que nos assusta no presente.


Sonho de Liberum

Sinopse

"Preparada para se tornar líder do Reino de Essentia, Gweniver vê a sua vida invadida por uma profecia tornada realidade: ela é a escolhida, com ligação aos cinco elementos mágicos e o principal alvo de Galium, um rei maléfico obcecado em impedir o cumprimento da profecia.
Do meio do caos surge Dominic, um misterioso soldado determinado a proteger Gweniver, até com a própria vida. Juntos vão tentar desvendar a localização das flechas mágicas, enfrentando perigos inimagináveis com a missão de derrotar a ditadura de Galium.
O amor que cresce entre ambos poderá ser a salvação ou a perdição da profecia e, ainda, a morte de Gweniver..."