terça-feira, 24 de julho de 2012

Editorial - O que nos espera?



Texto: Isabel Almeida

A conjuntura económica Portuguesa dos mais recentes meses não tem sido favorável, diriamos mesmo que começam a vir à luz do dia anos e anos de vidas artificiais, construidas à pressa sobre os frageis alicerces do crédito desenfreado.

Neste momento, são evidentes os sinais de pobreza, mesmo naquela que até há pouco tempo, era considerada a classe média. Há famílias em falência, sem dinheiro para garantir as necessidades básicas dos seres humanos numa sociedade dita democrática e civilizada: alimentação, habitação e vestuário.

Ao nível político, o Estado encontra-se submetido às orientações e verificações da já tristemente célebre Troika, enviada pelo FMI, como garante do bom uso de resgates prestados a Portugal, e do zeloso cumprimento de uma austeridade que apenas vem penalizar ainda mais os que já estão em dificuldades.

Na verdade, não nos parece que, salvo o devido respeito, estejam a ser tomadas as medidas mais adequadas, ao restringir rendimentos, aumentar impostos, o que asfixia o consumo e o desemprego aumenta exponencialmente - aliás já nem existe aquele velho chavão de encontrar um "emprego para a vida".

A nosso ver, mal se compreende que continuem a vir a público notícias como a aquisição de veículos de alta cilindrada para titulares de cargos políticos, ou a contratação milionária de motoristas. Pensamos que a moralização das despesas públicas e a sua redução na verdadeira acepção da palavra seria o caminho a seguir, mas continuamos a ver uma politica de austeridade que diriamos ser selectiva, pois segue apenas no sentido habitual.

Não vemos uma luz ao fundo do túnel.





Sem comentários:

Publicar um comentário