quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

ENTREVISTA | Rubrica: Mulheres empreendedoras #1


Cláudia tem 40 anos, é administrativa e mãe de 3. Tendo sentido necessidade de aumentar o rendimento familiar, procurou a melhor forma de rentabilizar o tempo livre com uma actividade que não lhe “roubasse” tempo em casa e que simultaneamente fosse prazerosa. Assim, depois de umas pesquisas e alguns contactos decidiu enveredar num mercado aliciante no qual tinha interesse há alguns anos. Cláudia tornou-se há cerca de um ano consultora da Maleta Cleo's Fantasy.

Como é que surgiu essa ideia?
A ideia já surgiu há uns anos, na altura em que se começou a ouvir falar em reuniões da maleta, mas na altura com duas crianças ainda muito pequenas e bastante dependentes de mim, não foi possível conciliar a vida familiar com mais um trabalho extra. O ano passado, devido a necessitar de ter um rendimento extra, fiz uma pesquisa sobre possíveis negócios em que não fosse necessário fazer um grande investimento e voltei a lembrar-me das tais reuniões. Procurei informação sobre o que seria preciso para iniciar e assim foi, um mês depois estava a fazer a minha primeira experiência no ramo do erotismo.

Porquê artigos eróticos quando há uma variedade tão grande de produtos que se podem vender online?
Para alem de um trabalho extra, queria também algo que me desse prazer em fazer. Sabes aquele trabalho em que não vês a hora de começar e ao mesmo tempo não queres que acabe tão cedo? Era isso que queria e consegui. Sempre me interessei pelos temas sexualidade e erotismo, fui descobrindo que é um tema muito abrangente e também ainda cheio de tabus. As reuniões permitem que eu fale sobre esses temas com outras mulheres. Durante cerca de duas horas, brinca-se e aprende-se ao mesmo tempo.

Sentes que ainda há muito preconceito?
Bastante. É um assunto Tabu. Vivemos numa sociedade de “rótulos”. Faças o que fizeres és “rotulada”. No que diz respeito a erotismo e sexualidade, seja quem vende, compra, etc, dá para imaginar os “rótulos” que são.
Por exemplo, esta semana uma revista perguntou num grupo de Facebook se haviam empreendedoras que quisessem oferecer algo dos seus negócios para um passatempo do dia dos namorados, em troca seria feita publicidade e divulgação da empresa. Eu enviei uma mensagem para a pessoa que fez o post. A resposta que me deram é que sendo um produto da área do erotismo não convinha. No entanto eu apenas dei a ideia de um kit com óleos de massagem e alguns lubrificantes. A caixa nem dá para perceber do que se trata.
Também já me aconteceu ter comprado um terminal TPA e passados uns meses fecharem a minha conta de cliente por se tratar de um negócio que eles consideram entretenimento de adultos.
Por tudo isto, preconceito é coisa que não falta. Preconceito e mal entendidos.
Tenho um perfil profissional no facebook, onde de início apenas adicionei pessoas conhecidas, com o tempo fui adicionando mais pessoas e alguns homens chegaram a enviar mensagens porque achavam que como vendo produtos eróticos, também prestava outros serviços.

Como lidas com o assédio desses homens?
Ignoro por completo. Se for em redes sociais um bloqueio resolve o assunto. Pessoalmente assédio nunca aconteceu mas já senti o ar de repulsa de outra mulheres em relação a mim.

Como funcionam então as tuas reuniões e de que forma chegas aos teus clientes?
Nas reuniões poderá conhecer melhor os produtos da Maleta
As reuniões são muito engraçadas, tens de ir a uma.
Vou então explicar, para tu e quem nos lê perceber um pouco melhor. Lembras-te das reuniões de tupperware? As da Maleta são mais ao menos a mesma coisa mas com artigos bem mais divertidos.
O conceito “reunião da maleta” ou “reunião de Tuppersex”, consiste em que uma assessora se desloque com uma maleta (trolley de viagem)  a casa de uma das participantes. Não há um número mínimo ou máximo de participantes. O contacto para uma reunião é sempre feito pelas clientes, eu vou onde me chamarem. As reuniões têm uma duração mínima de duas horas e meia mas quase um ano depois desta aventura, duraram sempre mais, depende muito da interação das participantes.
Nas reuniões são mostrados vários artigos, desde artigos de saúde íntima e sexual, a lingerie e brinquedos. As participantes experimentam alguns dos produtos e da minha parte também vou fazendo umas brincadeiras com elas. São uma animação. Adoro.

Uma pessoa que vai para uma primeira reunião vai de mente aberta ou ainda tem preconceitos e ideias pré concebida erradas?
Depende. Normalmente quem me contacta já sabe o conceito de uma reunião, às vezes até já participaram em algumas. O que pode acontecer é outras participantes não saberem. Mas é uma coisa que no inicio da reunião pergunto sempre. Se já participaram, se já ouviram falar, até para eu possa ter uma ideia de como devo conduzir a reunião. No decorrer da reunião vou observando o grupo para saber até onde posso ir, que expressões posso ou não usar. Outra coisa que também já reparei é de que a maioria das participantes pensa que a utilização de alguns artigos eróticos é uma substituição de um parceiro e esse pensamento está completamente errado. Mas posso dizer que há muito mais abertura nas pessoas do Norte do país, do que nas pessoas do centro.

Na tua opinião, achas que de alguma forma as 50 sombras de Grey e o crescimento da literatura erótica no mercado pode ter contribuído para uma maior abertura a este tipo de artigos?
As encomendas chegam de forma discreta e personalizada
Tenho certeza que sim. Contribuíram sobretudo para que as pessoas tivessem interesse em ver artigos e experimentar,  outro motivo importante é que leva as pessoas a lerem. Seja porque motivo for, a literatura faz bem à alma, ensina, faz com que as pessoas pensem, questionem, procurem informação e no caso específico da literatura erótica faz com que as pessoas alarguem os seus horizontes e percebam que a sexualidade não é um bicho de sete cabeças.  Deixo apenas o alerta para procurarem  mais informação junto de especialistas, quando decidirem experimentar algo novo e diferente, pois nem tudo é tão linear como se lê em livros ou se vê em filmes.

Tu acabas por fazer também aconselhamento sexual. Achas que ainda há muita falta de informação neste campo?
Existe alguma falta de informação. Repetindo o que disse na resposta anterior, o melhor que as pessoas têm a fazer quando pretendem fazer algo novo e diferente, é procurarem informar-se com um especialista, por dois motivos. O primeiro e depois de ouvirem a explicação, se realmente querem prosseguir com o que tinham em mente. O segundo é, estando bem aconselhadas sabem como proceder e podem aproveitar muito melhor o momento.
Vou dar um exemplo de uma cena que vi no segundo filme das 50 Sombras de Grey. O Mr. Grey entende que seria giro a Anastasia utilizar umas bolas de kegel, lubrificando as mesmas apenas com a saliva. Este tipo de situação na vida real, pode provocar desconforto e se as bolas forem mal introduzidas, até alguma lesão, acrescento ainda que no filme não se vê em que parte do corpo elas são utilizadas, só por aí e quem não souber onde e como, já pode provocar uma situação menos agradável.

É aí que entra também o teu papel? Não só a venda mas também mostrar como cada objecto funciona para que os teus clientes possam disfrutar dos mesmos sem acidentes?
Sim. As reuniões da maleta servem para isso. Como são feitas num ambiente intimista, as participantes têm contacto directo com o produto. Podem por exemplo, provar lubrificantes, experimentar óleos, perfumes e lingerie. É sempre dada por mim a explicação para cada produto que há dentro da mala à medida que os vou mostrando. É importante que as meninas saibam como usar os artigos que adquirem.

Mas não te vais ficar só pela venda de artigos eróticos e reuniões de tuppersex, estás com outros projectos em mãos. Queres falar um pouco sobre isso?

Neste momento estou na fase de construção de duas lojas online. Uma delas vai ser a continuação do Projecto da Maleta Cleo´s Fantasy, ou seja, uma sex shop online que ficará com o mesmo nome “Cleo´s Fantasy”. A outra loja será de vestuário, outra área onde também tenho bastante experiência, entretanto já tenho página no facebook, chama-se Stilus FashionStore. A linha da roupa é sobretudo jovem mas quero explorar um pouco de todo o tipo. Quero que todas as pessoas possam conseguir encontrar os seus números, desde o XS aos tamanhos grandes. Na loja online e na página do Facebook pretendo colocar fotos de pessoas “reais” a usar algumas peças de roupa que se encontram à venda, para isso vou contar com a colaboração de pessoas amigas.



Entrevista por: Vera Carregueira

Sem comentários:

Publicar um comentário