quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

[Actualidade - Montijo] Autarca do Montijo quer conhecer inquérito do incidente com Catamarã da Transtejo



A União de Freguesias do Montijo e Afonsoeiro já fez saber que quer conhecer os resultados do inquérito que a Transtejo está a realizar sobre o incidente com um catamarã.

Começaram a surgir dúvidas e acusações nas redes sociais sobre o afastamento dos autarcas da cidade do Montijo na tarde da passada terça-feira no incidente com o catamarã da empresa Transtejo.

O Diário do Distrito esteve no local do incidente e falou com o presidente da União de Freguesias do Montijo e Afonsoeiro, Fernando Caria, que na altura adiantou que alguns responsáveis pelo salvamento informaram de que o incidente se havia ficado a dever e uma avaria técnica na embarcação.

A Transtejo,  no mesmo dia,  adiantava que sobre o incidente a empresa iria abrir um inquérito sobre o caso para apurar responsabilidades. Lembramos que os passageiros estiveram fechados durante 4 horas dentro da embarcação que encalhou a cerca de 50 metros do cais do Seixalinho.

O executivo da União de Freguesias do Montijo e Afonsoeiro, já avançou com um pedido de esclarecimentos sobre o incidente junto da empresa Transtejo. No ofício que o Diário do Distrito teve acesso o mesmo refere que “a União das Freguesias de Montijo e Afonsoeiro, na persecução da defesa intransigente dos utentes da Transtejo, em particular os pertencentes à nossa Freguesia, vem solicitar (...) que o referido inquérito seja realizado com maior rapidez possível e que seja dado conhecimento a esta Junta de Freguesia do resultado final do inquérito”.

Para além do inquérito que a Transtejo abriu, fonte do Ministério do Ambiente também já fez saber que a tutela que gere os transportes também vai abrir um inquérito para apurar responsabilidades.

Nuno Canta, presidente da Câmara Municipal do Montijo, adiantou na última reunião pública que a autarquia solicitou junto do Ministério do Ambiente uma reunião para ‘discutir’ a falta de dragagem que há anos não se fazem no rio. Para o edil montijense a falta dragagem na cala do rio Tejo é um problema para as embarcações da Transtejo e até para o aumento da poluição que no fim do ano de 2015 foi um dos assuntos tratados pela Quercus.

Para o presidente da Câmara a solução passa pela dragagem nas calas do Montijo, Moita, Barreiro e Seixal.

Texto: Diário do Distrito /redacção 

Foto: Diário Imagem [Direitos Reservados]

Sem comentários:

Publicar um comentário