domingo, 18 de novembro de 2018

OPINIÃO | É terrorismo senhores...é terrorismo! | CARMEN MATOS e ISABEL DE ALMEIDA


Na sequência das últimas notícias que geraram polémica na nossa sociedade, mais uma polémica, desta feita sobre um grupo de pessoas que, de forma abnegada, movida por amor aos animais e que de mote próprio resolveram tentar equilibrar os pratos da balança no flagelo que existe, bastante enraizado, neste país – os maus tratos aos animais, é de extrema importância que se reflicta sobre este tema.

Na senda de um péssimo jornalismo que já vem sendo apanágio em Portugal, porque caracterizado pelo sensacionalismo barato, descontextualização de factos e parcialidade de juízos, porquanto não se fazendo cumprir o direito de contraditório, e talvez por uma inexistência de mais “desgraças” a expor, eis que se lançam, de forma leviana, suspeitas sobre a IRA – Intervenção e Resgate Animal, grupo este que não existe desde o dia de ontem e que nos últimos dois anos tem lutado, afincadamente, pelo auxílio de animais que se encontram em perigo, vítimas de abandono e maus tratos por parte daqueles que, supostamente, os deviam proteger.

Os elementos deste grupo têm, como qualquer um de nós, as suas vidas pessoais e profissionais, mas que num final de dia de trabalho e em prejuízo do convívio familiar, em determinados casos (previamente avaliados pela gravidade que nele constatem),  se encontram e organizam para serem os salvadores de animais que sofrem e são vítimas das mais atrozes intenções e actuações de seres, que nem sequer deviam ser apelidados de  humanos.

Quem acompanha este grupo de forma próxima, dando-se ao trabalho de  conhecer a sua missão, princípios, solidariedade e actuação, percebe claramente que serão um exemplo entre poucos, tendo tido a coragem e  a capacidade de se organizam de forma a ser “uma frente de combate forte e credível” neste flagelo que em pelo sec XXI ainda acontece, com muito mais incidência do que a desejada.

A expensas próprias dotaram-se de tudo o que fosse preciso para ajudar os animais, leitores de microchip, contactos com veterinários e clínicas, tudo o que fosse possível para que após um resgate se pudesse de forma cabal ajudar os animais, trata-los, alimentá-los, vaciná-los…

Mostraram, de forma inequívoca, que se importam e lançar as mãos à obra é bem mais produtivo do que se lamentar e pedir donativos, que as mais das vezes, não sabemos se chegam aos seus destinatários.

Destarte, é de fundamental importância recordar que nos incêndios que assolaram o país no ano transacto, em especial na tragédia de Pedrogão Grande, a IRA mobilizou equipas de resgate, organizou recolhas de alimentos para animais, providenciou apoio veterinário para os primeiros socorros de animais, ajudou inclusive a reconstruir abrigos que foram destruídos pelo fogo dantesco que existiu.

Outrossim, deve-se ainda relembrar que a IRA sempre colaborou com o SEPNA e até com as entidades policiais em diversos casos de resgate, como se prova quer pela página de facebook que têm e canal  no Youtube, para que de forma transparente mantenham actualizados os seus seguidores.

Não é menos verdade que são dos poucos que em situações de perigosidade têm a coragem de actuar, mesmo quando se trata de ir a acampamentos de pessoas de etnia cigana para resgatar animais deveras maltratados e muitas vezes utilizados como fábricas de produção de crias, sem qualquer apoio ou supervisão veterinários, rastreio de doenças e vacinação; Nestes ambientes hostis, bem sabemos que a actuação das nossas autoridades fica muitas vezes aquém do satisfatório…

Acompanhando de forma muito próxima, pelos meios já identificados, a actuação deste grupo de pessoas que considero de corajosas, destemidas e preocupadas, entendo que deve ser de realçar que a IRA, não aceitando donativos, faz também um excelente trabalho na angariação de fundos para o apoio aos animais vítimas de todos tipo de crueldades, naturais ou provocadas, a saber:  Para Pedrogão, arrecadaram toneladas de alimento para animais, fizeram diversas viagens para o distribuir, conseguiram disponibilizar apoio veterinário; No caso de Monchique arrecadaram 10 000 Euros em 24 horas para ajuda aos animais após os incêndios, e lançaram um projecto – HERCULES- que sem 72h conseguiram arrecadar 12000 Euros de 14000 Euros que precisavam, e felizmente já conseguiram na totalidade.

Para quem não sabe, o que será muito normal, pois trata-se de algo inovador, proactivo e muito positivo, logo, não sensacionalista, o projecto HÉRCULES, destina-se à aquisição de uma viatura para transformação, com valências de intervenção, in loco, com a disposição de estrutura hospitalar para fazer face Às necessidades de socorro médico-veterinárias, mormente:

Disponibilização dos primeiros-socorros a animais feridos, vítimas de incêndios ou outras catástrofes, em condições em iluminação, ambiente estéril e material insuficiente; posto de triagem para posterior encaminhamento dos animais feridos para hospitais veterinários locais;

Valências de Posto de Comando das equipas de Intervenção e Resgate: organização e planeamento das acções das equipas do IRA  e voluntários nos locais onde seja implementao o posto comando; acolhimento dos membros das equipas, dotado de estrutura para permanecer no local por vários dias;
Valências de apoio à autoridade veterinária municipal em campanhas CED (cães e gatos): sala de cirurgia para esterilização ao abrigo dos programas municipais CED;

Resposta de apoio à ANPC na vertente veterinária: coordenação voluntários; disponibilização de equipa quipá-veterinária, equipa de intervenção e resgate e toda logística para uma resposta imediata pró-animal;

Sensibilização comunitária: presença de viaturas de campanha de sensibilização para os direitos dos animais, em escolas e/ou eventos inerentes causa animal. 

Ora, isto que aqui se transcreve da própria página do IRA, é acessível a qualquer pessoa que queira, efectivamente saber em concreto qual a missão deste grupo, o que não será obviamente o caso de quem apenas quer denegrir aqueles que têm a ousadia, de fazer diferente, de se importar.

Concluí-se, portanto, que neste país, ser ousado, com o intuito de ajudar e exercendo uma forte componente social  conduz a que a  sua actuação seja  muito mais censurada que a actividades daqueles que através de offshores e jogos políticos e falacciosos desviaram milhões de bancos, votando famílias à pobreza e se tenham por impunes face à sociedade.

Mas na verdade, o que indigna alguns é o facto de, eventualmente, actuarem de capuz… e de supostamente a sua activividade estar a incorrer em tipologias de ilícitos criminais, quando nem sequer se lembram do plasmado no art 32º o Código Penal.

Uma sociedade com dois pesos e duas medidas, de valores invertidos e muitas “virgens ofendidas”.
Eu apoio a IRA  e como tal acredito que fazem a diferença, portanto, resta-me dizer OBRIGADA IRA!

Carmen Matos

______________

Na passada semana, após um serão de trabalho que se adentrou pela noite, uma reportagem no site da TVI24 surgiu no destaque da minha timeline no Facebook, tinha por tema alegadas investigações da Polícia Judiciária ao grupo IRA (Intervenção e Resgate Animal), o qual estaria acusado de Terrorismo e coacção sobre pessoas, através de força armada. 

A aludida peça jornalística continha em destaque vídeos que apresentavam um resumo da peça mais alargada emitida na televisão, com testemunhos de alegadas vítimas da IRA, bem como continha um vídeo humorístico, totalmente decontextualizado (facto este de que só me apercebi mais tarde, quando estranhando a extrema gravidade dos relatos e acusações decidi fazer uma pesquisa e avaliação pessoal e crítica mais alargada da questão).

Confesso que, não estando a par específica e detalhadamente, até agora, da acção deste grupo, inicialmente fiquei chocada, com a dureza dos relatos, com o teor do vídeo que mais tarde vim a saber ser humorístico, fiquei assustada e até chocada.

Gradualmente, através da página do próprio grupo no Facebook, e pela leitura de posts, vídeos, comentários (onde ficou evidente, mais uma vez, o clima de intranquilidade e polémica existente entre defensores da causa animal anti-tourada e os afficionados, o qual não será de todo alheio à necessidade de atingir na sua honra, bom nome os elementos da IRA), e ainda tendo acompanhado os desmentidos e esclarecimentos, bem como o completo contraditório que desmontou toda a reportage televisiva, comecei a ficar devidamente esclarecida!

Complementando a minha "investigação crítica", por assim dizer, tive ainda oportunidade de trocar impressões e esclarecer cabalmente a acção corajosa e nobre da IRA junto de amigos pessoais que acompanham estas iniciativas continuadas de apoio no terreno à causa animal desde o seu início.

Lamentavelmente, em Portugal, as pequenas "capelinhas de interesses", uma certa mentalidade retrógrada e conformista talvez decorrente da influência da canção nacional  - O Fado - levam a que, sem quaisquer vestígios de pudor, sejam considerados alvos a abater todos aqueles que se destacam pela diferença, que dão mais de si do que o comum dos cidadãos às causas que abraçam, que ousam querer mesmo dar o seu contributo para tornar o mundo ao menos um pouquinho melhor, mais justo e mais correcto.

Creio que, como eu, muitos leitores e usuários das redes sociais possam ter ficado, inicialmente chocados e até assustados, mas considerando que o número de seguidores da página oficial da IRA no Facebook aumentou exponencialmente, tendo em consideração que, entretanto, e num efeito dominó inversamente proporcional a toda a violentíssima publicidade negativa os fundos para o projecto HÉRCULES estão completamente reunidos, diria que "o feitiço se virou contra o feiticeiro"!

Atrevo-me ainda a especular se não poderão existir situações complexas e graves, essas sim a merecer  investigação criminal. de haver a possibilidade de intervenções criminosas a coberto do uso de falsa identidade da IRA, coisa que, infelizmente, bem conhecendo o país onde me coube em sorte nascer e viver, nada me espantaria.

O mundo precisa de pessoas que se destacam pela diferença positiva, por serem capazes de abraçar causas de corpo e alma, aplaudo a coragem da IRA e faço votos para que a justiça seja reposta pelos meios adequados!

Isabel de Almeida

Sem comentários:

Publicar um comentário