sexta-feira, 13 de abril de 2018

CRÓNICA | Mitos e Desmitos da 6ª- Feira 13 ou sobre 6ªs-Feiras e o 13 | PAULO DA COSTA GONÇALVES



A crença de que o dia 13, a uma sexta-feira, é dia de azar, é a mais popular superstição entre os cristãos. De onde será que vem esse medo generalizado dessa data?

Diversas lendas e crenças assombram e dão má-fama a esta data, mas há muitas explicações para isso.

Para começar, muitos acreditam que as principais teorias ou as mais populares têm origem no cristianismo. Por exemplo, a sexta-feira foi o dia em que Eva deu a maçã a Adão. Também terá sido numa sexta-feira que Adão e Eva teriam morrido. Mas atenção o conceito de dia da semana era ainda inexistente. Um outro exemplo, é o de que o Templo de Salomão aparentemente foi destruído numa sexta-feira. Do mesmo modo, acredita-se que Jesus terá sido crucificado a uma sexta-feira, o dia esse que os cristãos referem agora como Sexta-feira Santa. No entanto, a mais forte delas, será o facto de Jesus Cristo ter sido crucificado a uma sexta-feira e, na última ceia, haver 13 pessoas à mesa, ou seja, Jesus e os 12 apóstolos.

Uma outra explicação refere-se à perseguição feita pelo rei Felipe IV da França que ao se sentir ameaçado pelo poder da Igreja, teria tentado alterar a situação, através de uma filiação à ordem religiosa dos Cavaleiros Templários. Acontece que a entrada lhe terá sido negada, facto pelo qual passou a perseguir os templários. Isso aconteceu a uma sexta-feira, dia 13 de Outubro de 1307.

Há ainda quem afirme que a má-fama da sexta-feira é anterior ao cristianismo. Segundo alguns teóricos, o mito da sexta-feira 13 teria tido a sua origem em duas lendas nórdicas ou escandinavas.

A primeira delas parece explicar o estigma do número 13 e conta que houve um banquete em Valhalla, o palácio de destino dos guerreiros mortos em batalha, para o qual foram convidadas 12 divindades. O facto é que Loki, o Deus do fogo, não foi convidado e, por vingança terá armado uma cilada a Baldur, o Deus do Sol e/ou da Luz, que seria o preferido de Odin, o Deus dos Deuses e aparecido de surpresa no banquete. Desse relato, terá surgido a superstição de que ter 13 pessoas à mesa para um jantar seria de mau agoiro. Segundo outra lenda, a má-fama deve-se à Deusa Friga, que era a Deusa do amor e da beleza, e que deu origem à palavra friadagr (sexta-feira). Porém quando os nórdicos se converteram ao cristianismo, segundo as lendas, Friga passou de Deusa a bruxa. Como vingança, Friga terá dado início ao ritual de se reunir às sextas-feiras, com outras 11 bruxas e o demónio, para rogarem pragas aos humanos.

Uma outra superstição respeita ao Tarô onde a carta de número 13 é a carta da Morte.
Existem inúmeras explicações sobre a origem da sexta-feira 13, no entanto, são estas as que mais circulam entre os crentes.

Agora e para aliviar a situação, já os princípios da numerologia apontam o número treze como indício de boa sorte. Essa interpretação é mais regionalizada. Ou seja, em vários locais do planeta o número 13 aparece como símbolo de boa sorte. O argumento baseia-se no facto de que 13 é um número afim ao 4 (1 + 3 = 4), sendo esse um símbolo de próspera sorte.

Por exemplo, na Índia, o 13 é um número religioso muito apreciado e os pagodes hindus apresentam normalmente 13 estátuas de Buda. Na China, é comum os dísticos místicos dos templos serem encabeçados pelo número 13. Também os mexicanos primitivos consideravam o número 13 como algo santo e adoravam, por exemplo, 13 cabras sagradas. Nós em Portugal para acertar no Totobola não tem que ser em 13 resultados?

Muitas das pessoas mais supersticiosas receiam sair de casa, fechar negócios ou tomar decisões importante em sextas-feiras 13.

Agora é você quem decide se a sexta-feira 13 é sinal de sorte ou de azar!

Sem comentários:

Publicar um comentário