domingo, 16 de setembro de 2018

REFLEXÕES OCASIONAIS | Mudança: porque resistimos e porque devemos mudar ?| ISABEL DE ALMEIDA



O curso de vida leva-nos a passar por distintas fases, e a cada uma destas fases correspondem, naturalmente, diferentes perspectivas quanto às metas que queremos alcançar, por exemplo, em áreas tão distintas como a realização pessoal, intelectual, profissional e afectiva/emocional.

o Trajecto pelas diferentes etapas do ciclo de vida humano implica, a cada passo, a necessidade de aceitar ou promover mudanças, em nós próprios ou no nosso modo de vida, em suma, as mudanças, quer queiramos ou não aceitar este facto, são parte do nosso património vivencial!

Assumindo como ponto assente as mudanças, genericamente consideradas, que nos afectam ao nível físico, desde logo, aquelas que são inerentes à assustadora mas inegável realidade de que vamos amadurecendo e envelhecendo, importa aqui apelar a uma reflexão acerca de mudanças psicológicas strictu sensu,  bem como a todas as alterações que as mesmas possam implicar em termos de processos de tomada de decisão, capacidade de auto-conhecimento, insight (aqui considerado no sentido de consciencialização de que algo nas nossas condutas, pensamentos, estilo de vida não segue os padrões considerados normativos, desejáveis ou, em última análise, saudáveis).

Tenhamos presente que muitos detalhes da nossa existência não estão, com efeito, sujeitos ao nosso controlo, não temos o poder de com os mesmos interferir, assim, quando estes nos assaltam resta-nos apenas ter plena consciência de que é de extrema importância gerir a forma como encaramos e como lidamos com as situações problemáticas que escapam à nossa capacidade de influência, intervenção e acção directa sobre as mesmas.

Quantas vezes, por exemplo, em termos profissionais nos vemos forçados a aceitar imposições fruto de diversas variáveis?

Quantas vezes fazemos planos, definimos objectivos e elaboramos projectos pessoais que nem sempre conseguimos concretizar, ou que não correm como desejado?

Quantas vezes entramos numa espiral de insatisfação, normalmente acompanhada de crises de ansiedade e mesmo de focos depressivos porque receamos enfrentar mudanças? 

Há momentos na vida em que seriamente temos de reunir a força, coragem e motivação necessárias para mudar ou para aceitarmos mudanças. A nossa resistência resulta do medo, de uma pouco saudável ligação às chamadas "zonas de conforto". Mas façamos a desconstrução deste aparente beco sem saída: e se aquilo a que damos o nome de "zona de conforto" começar a causar-nos antes desconforto? E se sentirmos que o nosso bem-estar, os nossos pontos de equilíbrio estão postos em crise? E se as "zonas de conforto", o medo como factor de bloqueio à tomada de decisões (é certo numa isentas de risco, mas aqui está algo que faz parte da própria vida no seu todo, viver é arriscado) estiver antes a impedir a nossa realização pessoal, a perturbar a nossa paz de espírito? Poderemos então afirmar que resistimos à mudança porque o que se lhe segue pode ser pior, mas, e se não for?

Não temos o dom de adivinhar o futuro, mas temos para connosco próprios o dever de fazer um balanço sobre nós mesmos e sobre o nosso enquadramento nos contextos onde nos movemos e ,na sequência desse balanço, tentarmos apurar se a resistência a mudar o estado de coisas não é causadora de maiores angústias que se arrastam indefinidamente no tempo.

O que preferimos? Ser infelizes e insatisfeitos para sempre, ou aceitarmos a hipótese de quebrar as nossas próprias barreiras internas e termos a oportunidade de evoluir em todos os sentidos? 

O nosso livre arbítrio deve ser capaz de fazer escolhas! O que preferimos: Sobreviver ou Viver? Só na nossa essência podemos encontrar a resposta a esta questão fulcral! E temos de estar preparados para o facto de não estar ao nosso alcance saber se vamos ser bem sucedidos na sequência da decisão que tomarmos. Mas nunca é tarde para evoluir, nunca é tarde para dar tudo por tudo para mudar para melhor! Nunca é tarde para arriscar, pois é bem mais pesada a insatisfação, a censura auto-imposta à nossa liberdade pessoal, e o sofrimento psicológico que isso nos pode causar e que tenderá a aumentar e a perturbar a nossa funcionalidade no dia a dia.



"Quando a dor de não estar a viver for maior do que o medo da mudança  a pessoa muda."

Sigmund Freud

1 comentário: