domingo, 30 de setembro de 2018

REFLEXÕES OCASIONAIS-Especial | O jogo das cadeiras | ISABEL DE ALMEIDA e CARMEN COUTINHO MATOS


Mais uma novidade na rubrica, mensalmente teremos um autor convidado para o desafio de escrever uma reflexão conjunta. Desta feita, a Dra. Carmen Matos aceitou o nosso desafio! Segue-se uma reflexão em parceria!


O JOGO DAS CADEIRAS

Vivemos numa sociedade que se diz moderna mas na verdade oculta em si um lado, profundamente, obscuro, o “lado lunar”, o “dark side” parece começar a fazer parte da maioria da humanidade, a aparência começa a sobrepor-se à essência, nada é certo, tudo é volúvel, mutável, instável e… pouco fiável.

Diante de uma era muito cuidadora e zelosa dos seus direitos são precludidos os seus deveres e assim, sem pudor ou respeito, quer por terceiros ou quer por si próprio, o ser humano enverga e mantém uma máscara, a máscara do “ eu sou”.

Por séculos se viveram tempos falaciosos e difíceis, onde se vivia na base da “lei do mais forte”, do “nacional porreirismo”, do “Olha para o que eu digo mas não olhes para o que eu faço!” Todavia, esperava-se que em pleno Século XXI, já se tivesse perdido algum do espírito da época dos Borgia, dos Tudor e de tantos outros exemplos semelhantes que encontramos na história, mas em termos de jogos de bastidores, estratégias, contra-estratégias, intrigas palacianas dignas das melhores cortes Absolutistas o registo retratado em tantas páginas da História Universal parece-nos vivo e de excelente saúde. O amigo de ontem pode revelar-se o inimigo de hoje, mas quem sabe, até, o melhor aliado estratégico de amanhã! Confuso!? Talvez, mas uma realidade irrefutável dos nossos dias! Basta atentarmos, por exemplo, em estranhas alianças na política nacional que conseguiram surpreender pelo inesperado dos resultados…

Impera, sem dó nem piedade, uma época em que a diplomacia, aparente, generalizada se instala sem contudo ser corroída pelos sentimentos mais comezinhos do ser humano, a ganância e o egocentrismo.

Socializamos com o outro sempre tendo por base o que se pode alcançar ou ganhar com tal “amizade” ou aliança, de tão enraizada que está na nossa mente a ideia de que nada tem de mal que possam advir proveitos daquela particular situação, sem que tal seja passível de beliscar a nossa honra, carácter ou fortaleza de espírito. Ser egoísta, oportunista, intelectualmente desonesto ou mesmo egocêntrico ou até narcísico é encarado como banal, aceitável e, pasme-se, natural!

Nos mais variados contextos: escolares, académicos, profissionais, políticos, económicos os valores tradicionais vêm sendo perdidos, a competitividade sobrepõe-se à consciência e à honestidade, os interesses pessoais e os egos inflamados mostram-se hierarquizados em escala superior aos interesses coletivos!

A mentalidade que impera, hoje ainda, procede a uma análise da realidade circundante em termos de “ganhos versus perdas”, de aproveitamento do mais forte pelo mais fraco, de maldade disfarçada de simpatia, cada vez mais,  nos cruzamos com os chamados “lobos com pele de cordeiro”.

Na era em que o “parecer” é sobejamente mais importante do que o “ser” eis que se vive, quotidianamente, no jogo das cadeiras. Sorrisos, simpatias, diplomacia, gentileza,  são as palavras de ordem, enquanto se escondem  nas sombras os instintos mais básicos e obscuros, onde se exploram fragilidades alheias para, quando o momento for conveniente, se desferir o golpe fatal no inimigo!

Se porventura hoje nos podemos encontrar numa posição de grande destaque no que tange a determinados contextos, ou perante algumas pessoas, sabemos de antemão que amanhã poderemos já ter perdido essa mesma posição em termos de relevo ou apreço, apenas e só porque em algum momento, ainda que fugaz, algo dissemos, fizemos ou não fizemos que nos levou a perder o valor, a ser olhados como inconvenientes, incómodos, o que quer dizer que na verdade perdemos a cadeira, ou até mesmo que esta nos foi retirada. Em suma, é fácil “passar de bestial a besta” em pouco tempo.
Embora sabendo que nada é imutável e que a vida em si significa movimento, é-nos ainda pouco percetível a fluidez com que todas as relações, sejam elas profissionais, de amizade, amorosas, de circunstância, com muita durabilidade ou pouca, se transformam, terminam, começam ou mantêm.

Política é a palavra de ordem! Este conceito que era tão circunscrito, adapta-se hoje em dia por interpretações, abusivamente extensivas, a toda a nossa vida e a todos os nossos círculos de atuação.
Ocorre-nos um exemplo histórico fascinante, mas com o seu quê de aterrador, Sebastião de Carvalho e Melo, Marquês de Pombal e Conde de Oeiras, Ministro de D. José, delineou um plano com vista a destruir a família Távora, uma das casas nobres mais poderosas de Portugal, porque o fez? Porque a família Távora era ostensivamente crítica à sua política, à sua forte influência sobre o Monarca e porque em termos de egos, a diferença de classes era, ao que parece, fonte de exaltadas críticas e até humilhações, pois a família Távora considerava Sebastião José inferior socialmente, por ser membro da baixa nobreza, algo que também poderá ainda mais ter alimentado o espírito persecutório de um homem, frio, sagaz, mas também muito racional e pragmático! Às vezes, em certos jogos políticos não há, propriamente, uniformidade no papel de vilões e vítimas, embora seja certo que o mais forte vencerá a dado ponto desta alternância de papeis sociais!

A determinação do cidadão comum em se transformar num ser socialmente aceite pode tentar algumas almas a incorrer no pecado de alpinismo social, isto  é algo que ainda hoje, ou não, nos escapa aos radares intuitivos com que vivemos, não descartando, obviamente, aqueles que por motivos diversos já conseguiram alcançar um estado em que tais comportamentos são detetados à distância.

Proferem-se chavões comuns e afirmações de perpetuidade são proferidas sem qualquer pudor, pois são um meio para atingir um fim e obviamente, hoje, o fim justifica-se a si mesmo.

Neste turbilhão de acontecimentos e em estrita observância à máxima” nada se perde, tudo se transforma”, percebe-se claramente que existimos e sobrevivemos numa era em que, gradualmente, embora cada vez mais aceleradamente, estamos sozinhos e ninguém nos vem salvar.

A distorção de valores é avassaladora e inquietante, o próprio relacionamento social é oco, as alianças são estrategicamente delimitadas no tempo e a abertura ou disponibilidade e solidariedade pode mesmo vir a revelar-se, apenas e só, um ato de instrumentalização momentânea por motivos egoístas e convenientes a interesses ou agendas pessoais, rapidamente é substituível.

Bem sabendo que tais factos não se de agora e se perpetuam no tempo desde que o ser humano é quem é, tal não é justificável face à enorme evolução que temos assistido.

O mundo evoluí, a globalização instala-se, tudo se torna mais rápido, tudo se torna mais acessível, a informação brota em catadupa mas, na verdade, o ser humano, na sua essência mais primitiva, permanece em estado latente de evolução. 


"A Auto-consciência substituiu a consciência de classe, a consciência narcísica substitui a consciência política."

Gilles Lipovetsky, In "A Era do Vazio" (1983)



Sem comentários:

Publicar um comentário