sexta-feira, 21 de agosto de 2020

O MUNDO DESDE AGORA, de Anita dos Santos











Tudo mudou.

Todos os nossos hábitos tiveram de ser alterados a partir do momento em que o Mundo tomou consciência do novo flagelo que se chama COVID.

Não adianta pensar que algum dia as coisas serão de novo como eram, nunca mais vão ser.

O ser humano não é “feito” para viver isolado, mas ao longo da história da humanidade conhecida se viu que ser necessário o isolamento para que tornasse possível debelar pestes e doenças que assolaram o vastas zonas e populações do Mundo. Só temos de olhar para trás e relembrar o passado.

A varíola foi uma das grandes ceifeiras a nível mundial. Esta epidemia conhecida desde antes da era cristã, dizimou ao longo do tempo incontáveis porções de população pelo mundo inteiro.

Só no século XVIII se tornou prática injectar o vírus em crianças e jovens. Este modo de imunização ainda hoje é denominando por vacina.

Em Inglaterra, país altamente infligido por esta doença, a família real foi inoculada publicamente para convencer os seus concidadãos a aceder à vacina.

Hoje, a doença está erradicada.

Mas o Mundo mudou.

Passamos pela peste negra, pandemia que dizimou cerca de um terço da população da Europa no século XVI. Era uma doença fatal e bastante rápida depois de manifestada na forma de inchaços, que dava uma média de vida dolorosa entre dois e cinco dias ao seu portador.

Hoje, se diagnosticada atempadamente, pode ser curada através de antibióticos adequados.

Mas o Mundo mudou.

A tuberculose é uma das mais antigas doenças conhecidas, talvez a maior causa de mortes a nível global.

Embora exista vacina para esta doença desde 1906, bem como vários tratamentos possíveis, continuam a falecer todos os anos vários milhares de pessoas devido a esta doença.

Após a descoberta do tratamento para cada uma das epidemias que referi, o Mundo mudou.

Será uma questão de tempo, será uma questão de engenho e perícia. Mas havemos de chegar à tão esperada vacina para o último flagelo do Homem chamado COVID.


Sem comentários:

Publicar um comentário