quinta-feira, 10 de setembro de 2020

A Vida Brinca Comigo de David Grossman / DOM QUIXOTE - Tradução de Lúcia Liba Mucznik

 


Túvia Bruck era o meu avô. Vera a minha avó. Rafael, Rafi, R., como é sabido é o meu pai, e Nina… Nina não está cá. Nina não está. Foi sempre esse o seu contributo especial para a família. E eu, o que sou?

Estas são algumas das observações que Guili, a narradora de A Vida Brinca Comigo, aponta no seu caderno. Mas, por ocasião da festa dos noventa anos de Vera, Nina regressa: apanhou três aviões, que a trouxeram do Ártico até ao kibutz para se reencontrar com a euforia da mãe, a raiva da filha, Guili, e a veneração intacta de Rafi, o homem que, apesar de tudo, ainda perde todas as suas defesas quando a vê. Desta vez, Nina não pretende fugir: ela quer que a mãe acabe por contar o que aconteceu na Jugoslávia durante a «primeira parte» da sua vida, quando, jovem judia croata, se apaixonou por Milosz, filho de camponeses sérvios sem terra. Nina quer saber mais sobre o seu pai, Milosz, preso sob a acusação de ser um espião estalinista. E porque é que Vera foi deportada para o campo de reeducação na ilha de Goli Otok, abandonando-a quando tinha apenas seis anos.


Sem comentários:

Publicar um comentário