sábado, 17 de abril de 2021

Luto, de Eduardo Halfon

Eduardo Halfon viaja até à velha casa dos avós, nas margens do lago de Amatitlán, onde em criança costumava passar os fins de semana antes de a família se transferir para a Florida, devido à violenta situação política vivida na Guatemala em princípios da década de 1980. A partir do momento em que pisa o Amatitlán, tudo aquilo que o cerca desencadeia um turbilhão de memórias – algumas ligadas à sua infância na Guatemala, outras dos primeiros anos passados nos EUA.

Em subtis mas magistrais pinceladas, as recordações de Halfon vão-se conjugando aos poucos para desvendar segredos familiares profundos: a história de Salomón ou, talvez mais rigorosamente, a ausência dessa história, uma vez que ninguém na família falava abertamente dele. E aos poucos começamos a ver as informações dispersas que Halfon conseguiu reunir em criança.

Com Luto, o autor regressa ao universo que tem vindo a construir em torno da personagem chamada Eduardo Halfon – que pode ou não ser o autor – e da história da sua família. Desta feita, centra-se no lado paterno da família: emigrantes judeus libaneses que se radicaram nos EUA e na Guatemala.




Sem comentários:

Publicar um comentário