sábado, 29 de julho de 2017

OPINIÃO | O Feminismo é a Pior Coisa que já Aconteceu às Mulheres | ANA KANDSMAR

Os movimentos feministas pretendem acabar com a definição de género. Não querem que homens e mulheres continuem a ser chamados de homens e mulheres, passando dessa forma, a ser usado por todos o mesmo denominador comum: Humanos. Apenas.

Por mais que a ideia possa agradar às feministas de plantão, a mim arrepia-me. Insurge-me numa revolta contra quem, sendo mulher, se prejudica deliberadamente. (Tanto ou mais do que homens comandados por excesso de brio na sua masculinidade e má vontade). Nunca percebi muito bem a razão de existirem os movimentos feministas. Não foi graças a eles que as mulheres conquistaram por exemplo o tão afamado direito ao voto ou a frequência nas universidades. Ele já existia antes dos primeiros movimentos dos anos 60. 

O feminismo não emancipou a mulher. Na verdade, o feminismo prejudicou a mulher ao colocá-lo numa prisão de pensamento negativo e ao promover um beco sem saída de promiscuidade.

O feminismo roubou às mulheres a tendência natural de colocar a família e o casamento - a parte mais significativa da sua existência e pilar de uma sociedade coesa e saudável - no centro das suas vidas. Em vez disso, o feminismo actual envergonha as mulheres e força-as a acreditar que o materialismo da sua carreira deve ser colocado em primeiro lugar. Deve ser o centro. O foco principal. Onde é que isso nos trouxe? Famílias monoparentais às carradas? Famílias desestruturadas, problemáticas, arruinadas?

Um dos objectivos não-declarados do feminismo é gerar nos homens sentimentos de culpa por estes considerarem algumas mulheres mais bonitas que outras. As feministas, que se encontram na secção mais feia do espectro da beleza feminina, (e desculpem-me as feministas que não têm culpa de serem feias, mas que na sua larga maioria o são, são. Temos pena), querem redefinir o conceito de beleza de modo a que elas sejam consideradas tão meritórias como as mulheres que são genuinamente bonitas.

Ao mesmo tempo que as mulheres (desproporcionalmente lésbicas) da elite feminista se dedicam a fazer uma lavagem cerebral à população idiotizada, elas vão sendo bem sucedidas em enganar as mulheres de modo a que estas se tornem vítimas das tendências narcisistas que se encontram no seu ADN privilegiado. Quando as mulheres dão início ao processo de auto-destruição estético não encontram qualquer tipo de resistência por parte da cultura.

É claro que todas as mulheres merecem ser alvo do desejo e admiração dos homens. A sedução é um jogo que todas queremos jogar, mas como será isso possível deixando crescer os pêlos nas axilas, promovendo o descuido com a aparência, eliminando da vida de milhões de mulheres os cuidados básicos com o corpo, (depilação, maquilhagem, roupas femininas que nos acentuam as curvas e nos deixam visivelmente mais bonitas, o uso dos saltos altos que nos tornam mais elegantes, a lingerie que promove amplamente o tal jogo tão apetecido da sedução? Onde é que fica o nosso encanto se os cabelos curtos – à homem- o uso de indumentária tipicamente masculina, os corpos grosseiramente tatuados com imagens ainda mais grosseiras de caveiras, motivos grotescos e completamente desprovidos de sentido estético têm lugar comum nas nossas vidas? 

A ideia de igualdade amplamente difundida pelas feministas colocou-nos num patamar de escravização a uma existência que em nada nos dignifica. Lutemos pela igualdade de oportunidades. Basta! É o quanto basta! Lutemos pela liberdade de escolher o que nos faz felizes sem ostracizarmos as mulheres que fazem escolhas diferentes.

A mulher que quer apenas ser mãe e dona de casa deve sê-lo sem culpas, pois o trabalho de educar bem os homens e mulheres do futuro é tão importante e meritório quanto o da mulher que é directora de uma importante multinacional ou ocupa o cargo de 1ª Ministra. Ser mulher é uma dádiva que ironicamente, muitos homens parecem percebê-lo melhor do que nós.

Lembremo-nos do tempo em que nós éramos olhadas com respeito, cortejadas com verdadeiro interesse. Lembremo-nos dos tempos em que os homens nos ofereciam flores, abriam a porta para entrarmos antes deles, em casa ou no carro, e puxavam a cadeira para nos sentarmos.

Lembremo-nos que já fomos olhadas pelos homens com a exclusividade que hoje nos faz falta e que se nos faz falta essa exclusividade é porque hoje, graças aos movimentos feministas somos (quer queiramos quer não) uma espécie de inovação ao jogo do toca e foge, alvos insatisfeitos da "queca mágica" e aqui minhas senhoras…tudo o que temos semeámos, regámos e colhemos.


Mulher com M grande não é feminista. É feminina.









Ana Kandsmar

Sem comentários:

Publicar um comentário