sábado, 25 de novembro de 2017

OPINIÃO | Odeio-te, filho da puta! | ANA KANDSMAR

Odeio o teu andar silencioso em corpos sãos, gente de boa índole e de coração que apanhas à traição.

Odeio que não dês sinais, que não escrevas uma cartinha a dizer que vens e que ainda que ninguém te queira, não te vais.

Odeio-te, filho da puta! Odeio que te faças presente na vida da gente e que coloques um abismo à nossa frente.

Odeio que nos roubes os sonhos e a esperança, a felicidade de acordar os dias sentindo que o mundo ainda nos pertence.

Odeio que nos empurres para dentro de uma redoma negra e fria, um desolador recôndito que só tem os teus olhos, igualmente negros, igualmente frios.

Odeio que nos dês uma bata branca e uma cama de hospital, remédios amargos e vómitos, tudo o que poderia correr bem a correr mal.

Odeio que o mundo se afaste e continue a existir sem nós, e que enquanto tentamos ganhar-te nos sintamos tão sós.

Odeio que o relógio não pare e avance em direção à morte e que em todas as horas do dia amaldiçoemos a nossa sorte.

Odeio que te alastres e que tomes conta do que ontem não te pertencia e que cheios de ti fiquemos de alma vazia.
Que te faças hóspede sem convite, guardião de um templo que não é teu, que roubes a fé ao que crê e entregues Deus ao ateu.  

Odeio-te os tentáculos que se estendem, odeio-te os medos que se acendem, os fantasmas que nos saltam do armário, que nos vires a vida ao contrário.

Odeio-te o secretismo, às escondidas o malabarismo, que sejas um reles cobarde que entra em nós sem alarde.

Odeio-te pelo que nos fazes. Pelo que nos tiras. Odeio-te porque o ódio é a única coisa de que somos capazes quando oramos e ninguém nos escuta, odeio-te pelos que amei e perdi, pelos que perderei para ti, odeio-te cancro, filho da puta!


(Pela Milena, pelo Keith, pelo João, pelo Pedro e por todas as vítimas de cancro)














Ana Kandsmar

Sem comentários:

Publicar um comentário