sexta-feira, 24 de novembro de 2017

OPINIÃO | Dar tempo ao tempo | MARGARIDA VERÍSSIMO

A nossa vida inicia-se com uma expectativa. Esperamos para nascer e os nossos pais esperam o nosso nascimento. Mas este tempo entre o ser e o nascer não deve ser encarado como uma espera, porque de facto não o é. É um formar, crescer, amadurecer, estar pronto. E todas as partes envolvidas precisam desse tempo. É a primeira lição de vida que recebemos, o saber esperar, dar tempo ao tempo, o necessário. Acredito que muito do nosso temperamento se vai moldando no decorrer desse tempo que será mais ou menos longo. A minha filha é uma despachada e decidida, leva tudo na frente quando tem um objetivo. Assim foi ao nascer. Resolveu que estava na hora e nasceu! Não esperou pelas 40 semanas, não esperou para chegar à maternidade e a cada ânsia e tentativa de nascer inundou-me as calças e o assento do automóvel, não esperou sequer que me dessem a epidural. Em contrapartida o meu filho é mais calmo, tranquilo, sem pressas, sem stresses. Assim foi ao nascer. Ao fim de 24 horas de atroz sofrimento, no limiar do aceitável em termos médicos, o rapaz não nasceu, ficou à espera que o tirassem. E tiraram, com uma cesariana de emergência.

A idade e a experiência da vida ensinaram-me a saber esperar, mas a não ficar à espera, sobretudo, deram-me a tranquilidade necessária a um saudável apreciar e desfrutar do tempo de espera, do tempo de aprendizagem, do tempo de amadurecimento.

Vivemos a juventude num turbilhão de emoções. Os acontecimentos, os sentimentos e as hormonas rebentam sobre nós como se o fim do mundo se avizinhasse. Ansiamos com tanta intensidade viver o momento seguinte, que por vezes não apreciamos na sua plenitude o momento presente. Reviveremos mais tarde, com tempo e nostalgia, esses momentos.

No rolar constante e cadente de horas, dias e anos, os acontecimentos sucedem-se e nesta corrida de obstáculos que é a vida, quantas vezes, quantos de nós queremos chegar em primeiro lugar à meta, esquecendo que a meta é o final do percurso?! Testemunho, com alguma amargura, situações de pais que tudo fazem para que os seus filhos sejam os primeiros a cortar a meta, com distinção. Afastam os obstáculos da pista, empurram os miúdos para a volta seguinte, não lhes permitindo desfrutar o sabor e o prazer do caminho, do superar.

Mais do que aprender que eventualmente as coisas acabam por acontecer, que o que tiver de ser, será, aprendi a lutar por isso e, acima de tudo, aprendi a aceitar a espera, a usufruir dela, porque o tempo entre o querer e o acontecer é um tempo de aprendizagem, de crescimento, de amadurecimento, um tempo de ser e de viver.


















Margarida Veríssimo

Sem comentários:

Publicar um comentário