terça-feira, 6 de março de 2018

DE OLHO NO CLIMA | Quando as atuais práticas agrícolas podem causar falta de alimentos em 2050 | PAULO DA COSTA GONÇALVES

A alimentação como necessidade humana básica que é, passa por diversas etapas antes de chegar ao nosso prato, como seja: a sua produção, armazenamento, transformação, embalagem, transporte, preparação e, por fim, servida ao consumidor. Em cada uma destas etapas, por mais saudável que seja a dieta, são emitidos gases com efeito de estufa para a atmosfera. 

A produtividade das culturas depende de inúmeros fatores como o clima, a estrutura do terreno, as características da água de regadio e, também, do modo como se trabalha e nutre a terra, no entanto a necessidade de produzir mais alimentos originam uma agricultura intensiva nas terras já utilizadas e a práticas pouco sustentáveis como, por exemplo, o sistema de lavoura profunda ou o uso abusivo de adubos azotados, que libertam emissões de óxido nitroso e contribuem para as alterações climáticas. 
Considerando que a procura mundial de alimentos tenderá a aumentar em função não só do crescimento demográfico previsto, mas também devido à alteração dos hábitos alimentares não surpreende que, um pouco por todo o mundo, as zonas mais adequadas à agricultura já estejam em grande medida cultivadas e a procura de novas terras para cultivo leve à conversão de inúmeras zonas florestais num processo que, por um lado, gera ainda mais emissões de gases com efeito de estufa e, por outro lado, põe a biodiversidade em risco, comprometendo ainda mais a capacidade da natureza para resistir aos efeitos das alterações climáticas. Ou seja, o impacto da atividade humana na produção de alimentos pode, nos próximos anos, vir a praticamente duplicar os gases de efeito de estufa que daí são provenientes. 

Em suma, a agricultura contribui para as alterações climáticas e é afetada por elas. Um paradoxo de complexa, mas não de impossível solução.

Tendo em conta a importância da alimentação na nossa vida a redução das emissões de gases com efeito de estufa na agricultura aparenta-se difícil e como um enorme desfio para a humanidade, mas é possível reduzir as emissões ligadas à produção alimentar. 

Sem reduzir a quantidade de alimentos produzidos, o que poria em risco a segurança alimentar do mundo para além de provocar o aumento de preços à escala global e dificultar o acesso a alimentos nutritivos e a preços razoáveis às populações como será então possível satisfazer a maior procura mundial por alimentos e, ao mesmo tempo, reduzir os seus impactos ambientais na produção e no consumo?

Atualmente as alterações climáticas e os seus efeitos nas temperaturas do ar já afetam a duração dos períodos de cultivo, as datas de floração e as colheita que ocorrem, em muitos casos, mais cedo, sendo previsível que estas mudanças continuem, onde já ocorrem, e se alarguem a outras regiões do mundo.

Por exemplo, nos países do norte da Europa, com temperaturas mais quentes e menores ocorrências de geadas, e com isso um aumento do período de cultivo, a produtividade agrícola poderá ser aumentado e alargado a novas culturas. Já no sul e devido ao aumento das ondas de calor, à redução da precipitação e da água disponível é previsível que a produtividade e a variação de culturas sejam prejudicadas. No entanto, é provável que em determinadas zonas mediterrânicas algumas culturas estivais possam passar a ser cultivadas no inverno, devido ao calor extremo e ao stresse hídrico nos meses de verão. Noutras zonas, prevê-se uma redução efetiva do rendimento das culturas devido à impossibilidade de transferir a sua produção para o inverno.
.
Também é provável que todas estas alterações possam vir a influenciar a proliferação e a propagação de algumas espécies de insetos, de ervas daninhas invasivas ou de doenças, que certamente irão afetar o rendimento das culturas, mas que poderão ser compensadas com a rotação de culturas, o ajustamento das datas das sementeiras à temperatura e à precipitação e por uma opção a variedades mais adequadas às novas condições climáticas. A redução do consumo de alimentos que exigem imensos recursos e produzem uma enormidade de gases com efeito de estufa, como é o caso da carne será também uma obrigatoriedade.

Em suma, a necessidade, por um lado, de aumento na produtividade e simultaneamente a redução do uso de produtos agroquímicos e os seus efeitos ambientais e, por outro lado, diminuir o desperdício alimentar e o consumo de alimentos que exigem demasiados recursos sem pôr em causa, principalmente nos países em desenvolvimento, a segurança alimentar e o acesso a alimentos com valor nutricional adequado às necessidades do ser humano obrigará a que todo o sistema alimentar se transforme totalmente e utilize os recursos de forma muito mais eficiente. 

A solução mais provável e que se tornará controversa por questões sociopolíticas acabará por passar por uma solução global: Quem pode produzir, o que pode produzir e onde pode produzir.

Esta será sempre uma solução complexa e que, face às alterações climáticas e à competição por recursos, exigirá uma abordagem política coerente e integrada em matéria de alterações climáticas, energia e segurança alimentar. 



Fontes: Agencia Europeia do Ambiente e a revista “Nature Climate Change”.

Foto: Direitos Reservados



Sem comentários:

Publicar um comentário