quinta-feira, 8 de março de 2018

CRÓNICA | VAMOS FALAR DE PLÁGIO! | PATRÍCIA REBELO


Por definição, de um modo bem generalizado, podemos definir plágio como “o ato de assinar ou apresentar uma obra intelectual de qualquer natureza (textomúsica, obra pictóricafotografia, obra audiovisual, etc.) contendo partes de uma obra que pertença a outra pessoa sem colocar os créditos para o autor original. No acto de plágio, o plagiador apropria-se indevidamente da obra intelectual de outra pessoa, assumindo a autoria” (definição retirada da Wikipédia).

Assim sendo, sabemos que qualquer parte de um trabalho que seja uma cópia integral de outro autor é considerado plágio.

Na minha opinião, o plágio é muito fácil de detectar em música, fotografia ou qualquer obra audiovisual, porém, o mesmo não se pode dizer de um texto escrito.

Como saber se é plágio?

Muitos autores consideram que é plágio quando a inspiração está bem demarcada. Tudo bem. É aceitável, até porque ele é o autor e reconhece melhor do que ninguém o seu trabalho e as semelhanças que o mesmo pode ter.

Mas como pode um autor reagir, se por exemplo se troca a palavra “podia” por “poderia” ou se se acrescenta uma ou duas palavras ao original, dando um ar semelhante, mas diferente?
Como pode o autor acusar que se trata de plágio, se o seu trabalho for publicado na internet e como todos sabemos, nem tudo fica registado, a não ser pelo blog, Facebook, Twitter, ou outra qualquer plataforma.

É muito complicado falar de plágio porque se para o autor é plágio, para a comunidade e para as autoridades, não se pode dizer o mesmo, pois só é plágio se for cópia integral, sem assinatura do seu verdadeiro autor.

Sim, existem plataformas para detectar o que é plágio, mas não é suficiente.

Desde do inicio, disse aos meus leitores que sempre que partilharem algo, devem mencionar quem é o autor.

Porquê?

Porque partilhas geram partilhas, e assim existe o registo de quem escreveu, mesmo que chegue a um leitor desconhecido que nunca ouviu falar naquele autor.

Peço, de igual modo, que sempre que verifiquem algo que consideram plágio, que encaminhem para o autor respectivo para que este possa ter conhecimento e possa verificar se realmente é plágio ou não, para tomar as devidas precauções.

É triste, infelizmente, vermos que existem pessoas que usam como inspiração integral outras, mudando um ou outro pormenor...

Denunciem sempre!

Façam chegar a informação ao autor!

Hoje falamos de plágio!

É crime!

Somos todos responsáveis pelo que partilhamos!





Sem comentários:

Publicar um comentário