domingo, 14 de junho de 2020

CRÍTICA LITERÁRIA | "Café Amargo", de Simonetta Agnello Hornby | CLUBE DO AUTOR



Texto: Isabel de Almeida | Editora | Crítica Literária | Jornalista
Foto: D.R. Clube do Autor




" (...) embora devesse dar prioridade à instrução dos filhos varões em relação à sua adorada filha, encorajava-a a considerar-se igual a qualquer outra pessoa e a fazer-se respeitar, numa realidade em que era impensável as mulheres terem direito a voto."

Café Amargo, da autora Siciliana Simonetta Agnello Hornby é um brilhante romance histórico que nos traça o percurso de vida da protagonista - Maria - uma mulher forte, determinada, e que sempre lutou para conciliar da melhor forma a rígida tradição cultural da Sicília que secundariza o papel da mulher, afastando-a de questões como a cultura ou a política, com a sua mentalidade mais aberta, o seu espírito naturalmente curioso, a sua paixão pela música e pelo conhecimento em várias áreas, fruto dos princípios transmitidos pelo seu progenitor - Ignazio Marra, um Advogado socialista fiel à causa política que abraçou.

A acção vai acompanhando, com detalhes que resultam de um apurado trabalho de investigação documental, três momentos distintos da história da Sicília (e de Itália), o final do Século XIX ( quando se inicia a trama) quando os grandes proprietários começam a ver chegar ao fim o sistema económico feudal que ainda persistia na ilha; a I Guerra Mundial e o pós-guerra, a ascensão do Regime Fascista de Benito Mussolini; a II Guerra Mundial e os violentos bombardeamentos que deixaram um rasto de destruição na Ilha, em especial na bela cidade de Palermo.

A obra é também, assumidamente, uma saga familiar, e reúne um extenso leque de personagens principais e secundárias, apresentando complexidade nestes laços familiares que, também eles, sustentam de forma exímia a intriga e diversos conflitos inerentes ao desenvolvimento da acção, por isso, pareceu-nos bastante pertinente e útil o Índice das personagens principais que a autora inseriu no final da obra (páginas 353 e 354 na edição Portuguesa).

Os Marra, de que é representante o Patriarca Ignazio, são uma família tradicional com modestos recursos económicos, têm quatro filhos: Maria (a nossa protagonista), Filippo, Nicola e Roberto e acolheram no seu seio Giosuè  Sacerdoti (filho de Tonino, um Judeu de Livorno, amigo de Ignazio que faleceu mas antes pediu que este cuidasse do filho), Maricchia e Egle Malon (também acolhidas por caridade). Ignazio casou-se com Titina Tummia (muito mais jovem que ele e originária de uma família nobre que nunca viu com bons olhos esta união matrimonial) e vivem uma sólida relação amorosa que os faz enfrentar juntos todos os obstáculos que vão surgindo, inclusive, o facto de Ignazio, apesar de ser um excelente Advogado, ser muitas vezes ignorado por potenciais clientes devido à sua visão política.

Os Sala são uma família rica e influente, proprietários de minas de Enxofre e de um vasto património, e irão ficar ligados aos Marra através do casamento entre Maria  Marra e Pietro Sala, que se apaixona à primeira vista pela bela jovem que vê pela primeira vês em casa do pai, Ignazio, quando ali se dirigiu para tratar da compra de uma propriedade.

A primeira parte da trama corresponde ao enamoramento de Pietro Sala (um bon vivant, habituado a uma vida luxuosa, a gastos dispendiosos, ao convívio com a alta sociedade Europeia, a coleccionar arte e animais e plantas exóticos), e aqui surge a reflexão sobre a condição da mulher na sociedade ainda feudal da Sicília, Maria que sempre sonhara formar-se e ser professora aceita casar-se com Pietro, um homem mais velho que ela, que não ama, sentindo que, assim, libertará os pais do peso do seu sustento, sendo certo que estava disposta a trabalhar para sustentar os estudos dos irmãos e até de Giosuè (o seu melhor amigo, e que foi criado como se de mais um filho da família se tratasse). 

Giuseppina (Baronesa Tummia, por haver casado com Peppino Tummia, irmão de Titina), Sistina e Graziella ( irmãs de Pietro Sala) nunca aceitam Maria, que consideram inferior socialmente, e que lhes causa inveja devido ao facto de,  por ser uma pessoa bonita, inteligente, naturalmente sensível e bondosa, conquistar as boas graças do Sogro - Vito Sala - e aprender até a lidar com Anna, a sogra que se encontra mentalmente doente, serão firmes oponentes de Maria, a qual sempre irão hostilizar e criticar abertamente, não escondendo o quanto a odeiam.

As personagens mais fortemente modeladas e cuja evolução psicológica e amadurecimento vamos presenciando são precisamente Maria e Giosuè, que virão a descobrir que entre ambos existe uma relação que vai bem mais além da fraternidade, na medida em que viverão um amor sincero, forte, e que irá enfrentar duras provas como a distância física, as convenções sociais ( Maria é ainda uma mulher casada e mãe de família), o horror da II Guerra e o racismo e anti semitismo bem marcantes aos quais Giosuè não passará totalmente incólume,  muito embora comece por se afirmar enquanto Militar e consultor do regime Fascista, a verdade é que tudo mudará na sua vida com o surgimento do anti-semitismo muito por contaminação do regime Nazi, com o qual o Fascismo irá compactuar.

Já Pietro virá a revelar um lado negro, que apenas vai sendo revelado no decurso da trama, e que, curiosamente, dará a Maria a oportunidade de se afirmar como uma mulher forte, lutadora, responsável e merecedora do afecto e apreço do sogro Vito, assumindo o papel de defensora do património dos filhos Anna, Vito e Rita, entrando na gestão directa dos negócios da família, nomeadamente, das Minas de Enxofre.

Especialmente marcante e pungente, duma violência extrema, é o retrato que a autora nos apresenta da vida nas minas de Enxofre, deixando marca indelével na memória do leitor as condições de vida desumanas a que são sujeitos os aprendizes de mineiro, que vêem mesmo a vida encurtada devido a tal facto e que nos mostra uma realidade bastante cruel que resulta de uma visão ainda feudalista da sociedade Siciliana ainda herdeira de outras eras mais recuadas.

A escrita da autora é densa, rica em detalhes, requer concentração na sua leitura, não sendo esta uma obra que aconselhemos a ler de ânimo leve, mas não é, de todo, fastidiosa  esta leitura, é sim envolvente, arrebata-nos a alma, espicaça-nos o pensamento, enriquece-nos o conhecimento e faz-nos pensar na evolução da sociedade, no muito que mudou, e no outro tanto cuja semente permanece adormecida mas assustadoramente pronta a germinar de novo, sendo disto exemplo: o preconceito perante minorias, o racismo, novos tipos de colonialismo (revistos e actualizados e de que podemos considerar um bom exemplo o valor do petróleo), o risco de novos conflitos mundiais (com o perigo acrescido de meios bélicos ainda mais potentes e evoluídos).

O romantismo e a sensualidade também marcam presença, através da belíssima  e marcante e intensa história de amor entre Maria e Giosuè, cabendo destacar a troca epistolar entre ambos durante a II Guerra.

Também importa destacar a extrema riqueza de detalhe com que a autora faz a descrição das paisagens da Sicília, e do interior e vivência quotidiana dos vários núcleos familiares, ao longo dos vários períodos históricos que são percorridos na obra. A riqueza do registo descritivo despertará nos leitores uma nítida imagem mental que, certamente, evoca o nosso imaginário e tem o risco de suscitar o desejo de partir à descoberta dos cenários físicos onde se desenrola a narrativa, fica-nos ao menos o sonho de desvendar Palermo e cada recanto da Sicília ainda desconhecido, ou a revisitar, se for o caso.

Para concluir, é muito interessante analisar a evolução da metáfora pessoal e de narrativa familiar que contém a expressão que dá título ao livro, e que foi traduzida literalmente ( e em boa hora), "café amargo" pode ser caracterizado enquanto o percurso pessoal de amadurecimento e afirmação da alma muito feminina e da determinação, coragem e resiliência de Maria ao longo do seu percurso de vida.

Tudo é perfeito neste livro, de tal forma que intuo que, depois do muito que referi, irei lembrar-me de outros tantos aspectos  que o tornam fascinante e inesquecível, atrevo-me a sugerir uma nova leitura numa viagem a Palermo.


" - O amor à primeira vista, consome-te.(...)"


" Não estou apaixonado por ti, eu vivo de ti...Maria (...)"


Ficha Técnica do Livro:

Título: Café Amargo

Autora: Simonetta Agnello Hornby

Editora: Clube do Autor

Edição: Junho de 2017

Nº de Páginas: 368

Classificação: 5/5 Estrelas

Género: Romance Histórico

Sem comentários:

Publicar um comentário