terça-feira, 9 de junho de 2020

PALAVRA DE LEITOR | UMA PERSPECTIVA DIFERENTE, de Margarida Veríssimo sobre " A morte do Papa", de Nuno Nepomuceno | CULTURA EDITORA



Texto: Margarida Veríssimo 
Foto: Cultura Editora | D.R.

Saiba o que achou a leitora Margarida Veríssimo do novo livro de Nuno Nepomuceno " A morte do Papa", com chancela Cultura Editora.


A Morte do Papa - Livro - WOOK
É inevitável, ainda que nem sempre seja essa a intenção, a arte está de uma forma indelével gravada nas obras do Nuno Nepomuceno. Foi crescendo, fazendo parte do enredo, tornou-se título, até chegar o ponto em que percorre despretensiosamente as páginas do livro, deixando de ser protagonista, mas impondo a sua presença, sem a qual a história não faria sentido.
No livro “A Morte do Papa” a pintura não teria lugar, pensava o Nuno, outros assuntos, menos belos e menos visualmente apelativos, eram chamados a fazer parte de uma história por contar. Este livro não teria a arte como ingrediente. Não teria se a ação não se desenrolasse maioritariamente no Vaticano, não teria se o Nuno fosse indiferente às maravilhas nascidas das mãos e da mente humana.
Através da arte o Nuno Nepomuceno consegue envolver-nos e transportar-nos pelas labirínticas teias da ação. No livro, a arte é apresentada como sujeito passivo, observador, cenário. No entanto, com enorme subtileza, ao longo da história vai ganhando poder como elemento conciliador, como elemento de equilíbrio na narrativa. As obras extraordinárias criadas pelo homem em contrapeso com as suas mais vis ações. O belo como cenário do horrível. A magnificência da criação humana versus a crueza da destruição do homem pelo homem.
Assim que abrimos a capa do livro lá está ela, imponente: a colunata de Bernini. É só o início. Ao longo do livro a nossa mente vai visualizando e deleitando-se com pérolas da arquitetura, da escultura e também da pintura, obras primas de grandes mestres. Também o autor, no seu ato criativo, pincela o céu da cor do champanhe e pintalga de negro as muito azuis íris de Francesco.
Mas “A Morte do Papa” não é efetivamente um livro invocativo da capacidade do Homem de criar beleza, pelo contrário, mostra o seu lado mais negro, mais podre. E mais do que o Homem, mostra o lado mais negro, mais podre de uma instituição milenar. Uma Instituição capaz do melhor e do pior, em nome de Deus. Em nome de Deus, ou sob Sua proteção, cometem-se crimes hediondos. Em nome do mesmo Deus que inspira obras de arte tão grandiosas como algumas das descritas no livro.
Neste livro que cruamente despe, num despudor dorido, a capa da santidade e da pureza da igreja católica, mostrando o negrume que se esconde por baixo de tão ricas e belas vestes, encontrei o meu equilíbrio e elemento conciliador, na sua leitura, através da arte descrita, visualizada. O professor Catalão por fim também encontrou a sua paz, a reconciliação que necessitava, quero acreditar.



Margarida Veríssimo 

Leia AQUI a crítica literária da obra sob a perspectiva da nossa Editora Isabel de Almeida


FICHA TÉCNICA DO LIVRO:

Título: A Morte do Papa

Autor: Nuno Nepomuceno

Editora: Cultura Editora

Edição: Janeiro de 2020

Nº de Páginas: 352


P.V.P.: €18,50




Sem comentários:

Publicar um comentário