sábado, 4 de janeiro de 2020

DIA ZERO DE UM NOVO ANO, de MBarreto Condado















Ao bater da meia-noite reunimos a coragem que nos faltou tantas vezes no ano que acaba e prometemos fazer o que não fizemos. Deixando para trás decisões e indecisões, alegrias e angústias, ganhos e perdas, certezas e incertezas. E pedimos… algo diferente… o que nunca tivemos.
Preparamo-nos para passar a meia-noite sozinhos, acompanhados, dentro de casa, no meio de estranhos, na praia. Aguardando ansiosamente pelas doze badaladas.
Sentimos a mesma ansiedade da Gata Borralheira (Cinderela para os mais íntimos) sem a possibilidade de o nosso carro se transformar numa abóbora, os cavalos em ratos e o nosso Príncipe não passar de isso mesmo … de encantado…a menos que o jantar tenha sido bem regado e aí sim, quase que conseguimos sentir a sua mão na nossa, o seu brilhante sorriso, o seu cabelo bem penteado, o seu…o seu…o seu…
Para os mais tradicionalistas a meia-noite tem regras. Doze passas na mão, uma taça de champanhe, cuecas azuis novas, saltar para cima de uma cadeira ou para a frente com o pé direito ou ainda simplesmente saltar onde estamos tentando manter o equilíbrio. É obrigatório pedir doze desejos a cada passa (parecemos ratos a acumular comida para o Inverno), que engolimos com a ajuda de uma taça de champanhe bruto ou doce (como as passas são comidas à bruta recomendo a mesma opção para a bebida).
Podemos passar a meia-noite a dormir. Passar tão distraídos que celebramos o novo ano no horário de Honolulu. Passar a conversar sem nos apercebermos das badaladas nos programas sempre bem escolhidos nos canais nacionais. Ou nem nos apercebermos de o tempo passar porque estivemos grande parte da noite bem acompanhados pelos nossos amigos Logan e Jameson a discutir os feitos da Guinness.
A verdade é que esperamos sempre que o novo ano seja o início de uma nova etapa da nossa vida e que seja melhor.
Por acreditar que nunca devemos desistir dos nossos sonhos, que devemos deixar para trás tudo o que é tóxico e manter sempre um espírito aberto que nos ajude a contornar as contrariedades que a vida eventualmente nos atira.
Desejo a todos um 2020 na nossa companhia, com saúde, dinheiro e amor. E, se possível, com mais seguidores nas nossas páginas de autores, mais leitores, mais…mais…mais…porque sei por fonte segura que este Ano que se inicia estará repleto de boa literatura na nossa companhia.
Slainté! 

Sem comentários:

Publicar um comentário