sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

O TEMPO, de Anita Dos Santos















Quando falo do tempo, não me refiro ao tempo contado em horas e minutos num relógio, mas sim ao tempo, ao vento, à chuva, ao calor, ao frio…

Tudo coisas que agora estão muito misturadas, apresentando-se cada vez mais como calor e frio, só.

Mas as mudanças climatéricas são fruto de imaginações exacerbadas!

Lembrei-me hoje, ao ver chover, de quando era garota, mas já a trabalhar, e vinha à noite para casa, encharcada de chuva depois de um dia de trabalho, no eléctrico 15, cheio até mais não poder ser. Durante meses a fio!

O Inverno parecia não ter mais fim!

A chuva começava a amainar por volta do mês de Abril. Mas, em Abril águas mil… Ainda tínhamos mais chuva pela frente.

Vinham por fim os meses mais amenos, a Primavera prometia vida nova em Maio, e Junho já nos trazia o tão esperado calor de dos meses de Verão.

Nada se equiparava ao calor do mês de Julho, com o seu cheiro característico de Verão, de praia e de lazer.

Mas Agosto, o tempestuoso mês das trovoadas de veraneio – com os incomparáveis relâmpagos sobre o mar a que tantas vezes assisti! -, era o meu favorito, talvez por irmos de férias nessa altura.

Quando o mês de Setembro se fazia presente, e as folhas das árvores começavam a mudar de cor, a ficar castanhas, comiam-se uvas gordas e doces, prenunciando um Outono que estava a chegar, e os dias já eram mais curtos, mas ainda de boa temperança.

O mês de Outubro vinha já com o cheiro da chuva e das folhas das árvores pisadas, prenunciando um Novembro cinzento, com cheiro a castanhas assadas, a chuva e a braseiras.

E estávamos uma vez mais em Dezembro, no Natal e em pleno Inverno, para enfrentar, outra vez, os terríveis meses de chuva ininterrupta.

Agora, com sorte, se chover uma semana seguida, estranhamos, e dizemos “Credo, já chove há tanto tempo!”

Mas as mudanças climatéricas são fruto de imaginações exacerbadas!

O tempo, é uma coisa muito subjectiva…


A autora escreve segundo a ortografia anterior ao Acordo Ortográfico de 1990.

Sem comentários:

Publicar um comentário