segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

ENTREVISTA à autora que nos toca o coração através dos Gatos VANESSA LOURENÇO
















                                                          
Vanessa Lourenço nasceu em Lisboa, em 1982. A par da formação superior em Psicologia Clínica, os animais e as artes sempre estiveram presentes na sua vida, o que se reflectiu no seu percurso literário. É autora dos dois primeiros volumes publicados de uma trilogia de literatura fantástica (vertente inspiracional): A cria negra de Felis Mal'ak (2015) e A batalha de Sekmet (2016). Em 2017, traduziu e publicou a 1a edição inglesa de A cria negra de Felis Mal'ak (The black cub of Felis Mal'ak), contando já com leitores pelo mundo inteiro. Em 2018 publicou (em parceria com o projecto de tipografia artesanal Quadratim Letterpress), A vida aos olhos de um gato, um pequeno livro de edição limitada e construção manual, composto por pequenos aforismos inspiradores. 



Encontra-se presentemente a trabalhar na edição inglesa de A batalha de Sekmet, e no terceiro e último volume da trilogia.

MBC – Porquê duas páginas no Facebook Vanessa Lourenço – autora e Vanessa G. Lourenço?

VL - A existência de duas páginas de autora deve-se ao facto de uma delas abraçar o meu projecto de escrita em português, e a outra em língua estrangeira, destinada aos meus leitores além-fronteiras.










MBC - O que te levou a escrever Literatura Fantástica?
VL - Sou eu própria uma ávida leitora desse género literário, mas no que toca ao meu trabalho, costumo dizer que não fui eu que escolhi esse caminho, mas ele que me escolheu a mim. Quando fechas os olhos, respiras fundo e decides criar, não tens realmente como direcionar a inspiração: ela surge, e tu atravessas a porta que se abre. Qualquer outra decisão seria imprudente.







MBC – Continuarás sempre a escrever dentro deste género fantástico?
VL - Tenho horror a estereótipos e a limitações, por isso deixo essa resposta em aberto. Hoje é assim, amanhã? Quem sabe? (risos)













MBC - Os Gatos para ti são uma paixão, pretendes continuar com o tema?
VL - Sou acima de tudo uma amante de animais inveterada, que acabou por se cruzar no caminho da autodescoberta com esta espécie fascinante que é a espécie felina. Sem me estender muito no futuro, e pelo menos enquanto estiver a trabalhar nesta trilogia, serão os gatos os protagonistas do meu trabalho.


MBC – Ao mesmo tempo que escreves em português já tens dois livros traduzidos, “The Black Cub of Felis Mal’Ak” e “Words from Cats”, como sentes a adesão dos leitores em língua inglesa? Melhor ou pior que os leitores portugueses?




VL - A literatura fantástica escrita em português não está ainda, infelizmente, muito dinamizada em Portugal. Damos ainda muita primazia, nesse âmbito, ao autor estrangeiro. Ainda assim, posso orgulhar-me de ter alcançado um número significativo de leitores portugueses dos meus livros, e o feedback tem sido nada menos do que extraordinário. Incrivelmente, e após arriscar na tradução dos meus livros, o mesmo se tem verificado com as minhas edições inglesas. Neste momento, ambos os livros contam já com leitores um pouco por todo o mundo, e multiplicam-se os pedidos para que seja publicada a edição inglesa do segundo volume da saga, A batalha de Sekmet. Para responder à tua pergunta, felizmente a aceitação é muito satisfatória quer a nível nacional, quer internacionalmente.

MBC – Os teus planos para um futuro recente incluem finalizares a saga de “Felis Mal’Ak” bilingue? E depois?
VL - Sim, esse é o meu objectivo principal neste momento. O que não significa que
não vá sendo intercalado, aqui e ali, por outros projectos independentes, como por exemplo “A vida aos olhos de um gato”, lançado no natal passado. E… quem sabe ainda surjam mais novidades num futuro próximo, nesse âmbito.

MBC – O teu último livro “A vida aos olhos de um gato” foi impresso de uma maneira diferente. Queres falar-nos de como te surgiu esta ideia e como foi feito o trabalho?
VL - “A vida aos olhos de um gato” é um projecto que nasceu de um telefonema da minha querida amiga Vânia Nunes, co-fundadora do projecto artesanal de tipografia tradicional Quadratim Letterpress. 
Ao telefone, apresentou-me a ideia de uma compilação de textos originais meus, organizados num livro criado manualmente por recurso a máquinas tipográficas centenárias. Uma edição limitada e numerada, um livro diferente de todos os outros e de criação completamente artesanal. Perante a paixão da ideia dela, e visualizando o que só poderia ser um estrondoso resultado, não podia de forma nenhuma dizer que não. E assim nasceu este projecto, que conta já com muitos leitores por todo o país.


MBC - E a pergunta que todos queremos saber novidades para este ano?
VL - Bom… sim, haverão novidades! Estejam atentos! (risos)







MBC – Onde é que os leitores podem adquirir os teus livros?
VL - Todos os meus livros (edições portuguesas e inglesas) podem ser adquiridos no site da Amazon, ou por intermédio da minha página de autora: 

MBC – Tens algo que gostarias de dizer aos teus leitores bem como àqueles que te ficaram a conhecer um pouco melhor depois desta entrevista?
VL - Quero antes de mais agradecer a todos aqueles que já seguem o meu trabalho e adquiriram os meus livros, pelo voto de confiança. E pelos feedbacks maravilhosos que me fazem chegar. Mas mais do que isso, agradecer a todos aqueles que seguem o meu trabalho por um motivo muito mais profundo: cada um de vocês mantém viva a luz de um gato preto que um dia entrou na minha vida e a mudou para sempre. E em cada livro comprado, em cada texto lido na minha página, o legado desse animal extraordinário se espalha um pouco mais. Pelo mundo inteiro. E isso, isso não tem preço. A não ser a minha incomensurável gratidão.






















O meu especial agradecimento à autora Vanessa Lourenço pelo tamanho da sua alma, pela sua disponibilidade e acima de tudo por nos falar ao coração. Que o destino lhe entregue o tão merecido reconhecimento.


Texto: MBarreto Condado
Fotos: disponibilizadas pela autora

Sem comentários:

Publicar um comentário