quinta-feira, 31 de outubro de 2019

ALL HALLOWS EVE, de MBarreto Condado















Cai o véu que separa os mundos.

Nesta noite é permitido às almas circularem livremente pelos locais que em vida conheceram. Uns mais afortunados poderão vê-las, outros senti-las, mas a verdade é que nesta noite elas estão aqui para nos agraciar com a sua presença. Voltam para nos fazer companhia, para nos sentir, para nos lembrar que não estamos sós.

Não necessitamos fechar os olhos para senti-las ao nosso lado.

Fazem-nos companhia enquanto cozinhamos, sentam-se à nossa mesa para nos ouvir conversar e antes de voltarem a partir ajeitam-nos os lençóis da cama como faziam em vida beijam-nos nas faces sussurrando-nos as tão ansiadas palavras de amor.

Nesses momentos se fecharmos bem os olhos quase que as conseguimos ouvir dizer:

“Não chores não morri!

Já não sou o meu corpo, mas o meu espírito permanece em ti.

Não tenhas saudades minhas!

Pois nunca te deixarei, não o conseguiria mesmo que tentasse.

Não te sintas só!

Estarei sempre aqui até ao dia em que nos reencontremos.

E até que esse dia chegue novamente ansiarei pela tua presença.

Mas voltarei. Porque enquanto viver na tua memória, Vivo!

Agora descansa com a certeza que estarei sempre por perto.

E quando o véu se voltar a erguer e sentires o vazio da minha ausência pensa que teremos sempre este dia para nos voltarmos a reencontrar.

E no próximo ano aqui estarei só para te ver.”

Ergue-se o véu que separa os mundos.


Sem comentários:

Publicar um comentário