quarta-feira, 2 de março de 2016

[Turismo] Casa de Atalaia – Turismo de Habitação de Charme no Centro Histórico de Palmela

Na passada sexta-feira, dia 26 de Fevereiro, Lurdes Atalaia, empresária Palmelense do sector vitivinícola, inaugurou o seu projecto de Turismo de Habitação de Charme – Casa de Atalaia - em pleno centro histórico de Palmela, recuperando uma casa de família que foi transformada num pequeno hotel de charme com apenas quatro quartos, cujo objectivo principal é associar a tradição ao conforto e fazer com que os hóspedes se sintam verdadeiramente em casa


Lurdes Atalaia fez questão de falar a todos os convidados sobre o seu projecto, começando por referir que era um dia para agradecimentos e homenagens tendo referido: “Publicamente quero aqui prestar homenagem aos meus antepassados, à minha família, às pessoas que tornaram possível o dia de hoje. 

O meu avô comprou a totalidade deste edifício em 1926, na altura e até há relativamente poucos anos (por volta dos anos 60), isto foi um edifício com habitação em cima e actividade em baixo,  aqui era uma adega, ficou como memória a estrutura original e a prensa. 

O meu avô era comerciante de vinho e azeite, daí a oliveira, a oliveira também pretende de alguma forma, criar esse laço com a actividade tão tradicional na nossa região e no nosso país. (…) A casa foi envelhecendo e foi-se transformando numa ruína (…) quero já agora enaltecer e agradecer a presença das duas Arquitectas que estiveram envolvidas nessa fase, no ano 2000, nesta obra tremenda, foi um desafio mesmo em termos estruturais, foi um apelo à imaginação, à paciência.”

O projecto inicial é da autoria das Arquitectas Paula Caldeira e Ana Luísa, e mais recentemente., contou com o apoio do Arquitecto Sérgio Camolas. Lurdes Atalaia quis ainda agradecer às entidades que a apoiaram, aos amigos incansáveis, tendo ainda agradecido publicamente à equipa de funcionários que a acompanham.

No átrio de entrada será a área de recepção aos hóspedes, e logo que se sobe um degrau, entra-se num espaço, um Hall que é já pertença de quem está instalado, consoante explicou a empresária.

Em declarações ao Diário do Distrito, Lurdes Atalaia destacou o seguinte: “ A casa estava fechada, o que não era bom nem para mim psicologicamente, nem para a casa, que afinal já tinha tido uma intervenção, um percurso tão grande a todos os níveis, portanto havia que lhe dar continuidade e sentido e nada como abrir as portas aos outros, porque esta casa precisava, de facto, era de gente cá dentro, de pessoas.” Em termos de investimento, a responsável apontou que: Este foi feito em duas fases, a primeira fase foi demasiado, a segunda fase foram cem mil euros com o apoio da PRODEP. ”No que diz respeito às expectativas quanto à angariação de hóspedes para a casa, Lurdes Atalaia explicou o seguinte: “ Eu acalento a esperança de, tendo só quatro quartos, não será muito difícil, é uma casa simples, uma casa de requinte (…) as pessoas podem desfrutar de um espaço muito amplo, muito diversificado e esse é o luxo da casa, o objectivo é que as pessoas se sintam em casa e sejam bem recebidos.”

Um espaço elegante, sóbrio, enquadrado no cenário paisagístico privilegiado no centro histórico de Palmela. Combina elementos decorativos em estilo moderno, com o toque de charme de peças de mobiliário vintage, que também pertenceram à família de proprietária e foram restauradas, adquirindo agora um papel de destaque.

A propósito das peças de mobiliário recuperadas a outras épocas, Lurdes Atalaia assinalou que: “ Por um lado, tinha afecto por essas peças, gostava delas, e tinha um propósito para elas, aqui o objectivo foi conciliar o novo, o confortável com qualquer coisa com alma, com sentimento, com afecto e com história e com estórias”.

Artigo publicado em colaboração com Diário do Distrito

Sem comentários:

Publicar um comentário